Uruguai é o rival do Brasil na Davis

Com as vitórias de Ricardo Mello sobre Alexander Blom (6/3, 4/1 e desistência por contusão) e de Gustavo Kuerten diante de Raoul Behr, por 6/0 e 6/2, o Brasil fechou por 5 a 0 o confronto diante das Antilhas Holandesas. Com essa vitória, classifica-se para a final do grupo II e se vencer o Uruguai (derrotou a República Dominicana por 4 a 1), de 23 a 25 de setembro, fora de casa, poderá subir para o grupo I do zonal americano, ascendendo para a segunda divisão da Copa Davis. Desde a volta dos principais jogadores ao time, como Guga, Mello, Flávio Saretta e André Sá, a equipe brasileira deixou claro que tem nível para estar em um melhor lugar na competição. Os bons resultados alcançados em Joinville não tiraram a consciência dos jogadores e nem mesmo do técnico Fernando Meligeni. Líder do time, Guga acha que o lugar certo do Brasil no tênis é numa posição intermediária, justamente o grupo I - segunda divisão - , em que pode passar a jogar no próximo ano. "Acho que está fora da nossa realidade jogar a terceira divisão, assim como estava também fora da realidade a gente jogar o Grupo Mundial, por oito ou nove anos", analisou Guga. "Acredito que o Brasil deva estar numa posição intermediária". Se o Brasil passar pelo Uruguai em setembro, vai no próximo ano assumir um lugar justamente nessa ´posição intermediária´. Estão neste grupo países como México, Venezuela, Paraguai e Equador. No caso de a equipe brasileira voltar a vencer em 2006, alcançaria então o playoff, jogando por uma vaga no Grupo Mundial de 2007. Contra Nadal - Depois de aproveitar bem a semana de treinamentos e jogos tranqüilos na Copa Davis, Gustavo Kuerten encara agora uma seqüência de três torneios da série ATP, no saibro. No primeiro deles, em Stuttgart, poderá duelar com Rafael Nadal logo na segunda rodada. A estréia de Guga, na terça-feira, será contra um tenista do qualifying. "Seria legal enfrentar o Nadal, mas para mim já será um bom resultado se conseguir vencer na estréia", admitiu Guga. "Esse ano meu objetivo é tentar fazer o maior número de jogos, para ganhar ritmo e recuperar a forma física. Vou para estes torneios na Europa como franco atirador e ver o que acontece", disse o tenista, que joga ainda os ATPs de Umag, na Croácia, e de Sopot, na Polônia. Além de Guga, Flávio Saretta também joga esta semana, só que vai para as quadras de cimento dos Estados Unidos. No ATP de Indianápolis, o brasileiro estréia com Andrew Murray, uma das maiores revelações do tênis inglês. Enquanto isso, Ricardo Mello viaja na sexta-feira para Los Angeles e André Sá joga na Colômbia e, depois, em Campos do Jordão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.