Mike Groll/ AP
Mike Groll/ AP

US Open amplia valor de premiação e bate recorde no tênis profissional

No total, Grand Slam de Nova York distribuirá R$ 153 milhões

Estadão Conteúdo

12 de julho de 2016 | 15h46

A organização do US Open divulgou nesta terça-feira os novos valores das premiações que vai distribuir na edição 2016, a ser disputada entre os dias 29 de agosto e 11 de setembro, em Nova York. O quarto e último Grand Slam da temporada vai bater novamente o recorde nas cifras do circuito mundial de tênis.

No total, a tradicional competição norte-americana vai distribuir US$ 46,3 milhões (cerca de R$ 153 milhões), um acréscimo de quase 9% em comparação ao ano passado. Com esta soma, o US Open é o torneio com a maior premiação da história, e não somente entre as competições do Grand Slam - Aberto da Austrália, Roland Garros e Wimbledon são os demais torneios de nível Major.

Individualmente, o valor destinado aos campeões de simples, tanto no masculino quanto no feminino, subiu US$ 200 mil cada. Assim, passou de US$ 3,3 milhões para US$ 3,5 milhões (cerca de R$ 11,5 milhões), um aumento de 6%. O vice-campeões vão faturar US$ 1,75 milhão.

Mesmo o tenista que for eliminado logo na rodada de abertura das chaves de simples sairá do US Open com uma soma razoável no bolso: US$ 43,3 mil (R$ 143 mil). Nas duplas, os campeões vão levar juntos US$ 625 mil.

Para efeito de comparação, Wimbledon distribuiu na edição deste ano, finalizada no domingo, premiação no valor total de US$ 36,3 milhões, enquanto Roland Garros desembolsou US$ 31,3 milhões, em valores convertidos de libras e euros, respectivamente, para o dólar americano. O Aberto da Austrália, em janeiro, distribuiu US$ 33,2 milhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.