US Open: super sábado justifica fama

O "super-saturday" do US Open é mesmo o dia mais emocionante no torneio. Não há como não ver jogos emocionantes. O dia começa com as semifinais masculinas e, na sessão noturna, com nova bilheteria, é disputado título feminino. São esperados perto de 50 mil pessoas neste sábado em Flushing Meadows, com algumas das maiores estrelas do tênis em ação no estádio Arthur Ashe. A semifinal mais esperada, reúne, por ironia, os dois finalistas do ano passado: Pete Sampras e Marat Safin, com o russo saindo-se como campeão. Por outra coincidência, estes dois jogadores tiveram uma temporada desastrosa em 2001. Sampras não ganha um troféu desde Wimbledon do ano passado, enquanto Safin que, em 2000, conquistou cinco títulos, na atual temporada não somou nenhum. Por causa desta decepcionante campanha destes dois jogadores este ano, muitos viram com surpresa a definição desta semifinal. Sampras mostrou que ainda é um jogador longe da aposentadoria com uma vitória marcante sobre Andre Agassi, nas quartas-de-final. O tenista norte-americano vibrou tanto com este resultado que disse estar pronto para continuar jogando por mais cinco anos. Enquanto isso, Marat Safin procura tirar de si toda a pressão da defesa do título de 2000. Confessou que, depois de um ano tão ruim, já poderia dar-se como satisfeito com a classificação para as semifinais do US Open. Na outra partida das quartas-de-final, em mais uma noite sensacional do lotado estádio Arthur Ashe, com 23.028 pessoas, Hewitt venceu a revelação norte-americana Andy Roddick por 3 sets a 2, parciais de 6/7 (7/5), 6/3, 6/4, 3/6 e 6/4 e garantiu pelo segundo ano consecutivo uma vaga nas semifinais do US Open. Com este resultado, o temperamental e explosivo Hewitt vingou-se de duas derrotas seguidas para o não menos efervescente Roddick, ambas este ano. Nas semifinais deste sábado, provavelmente, às 13 horas, horário de Brasília, Hewitt irá enfrentar o russo Yevgeny Kafelnikov, enquanto Pete Sampras e o russo Marat Safin disputam a outra vaga para a final de domingo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.