Karim Jaafar/AFP
Karim Jaafar/AFP

Wimbledon eleva premiação em 5% para edição de 2016

De acordo com os organizadores do Grand Slam, o aumento será em mais de R$10 milhões

Estadão Conteúdo

26 de abril de 2016 | 10h24

Os campeões das chaves de simples masculina e feminina da edição de 2016 de Wimbledon vão receber cerca de US$ 3 milhões (mais de R$ 10 milhões), anunciaram os organizadores do Grand Slam londrino nesta terça-feira, quando eles revelaram que a premiação total terá um incremento de 5%. O All England Club afirmou que a premiação total do torneio, disputado em quadras de grama, subiu para 28,1 milhões de libras (R$ 145,4 milhões).

O prêmio para os campeões de simples foi elevado em 6,4%, ou 120 mil libras (R$ 620 mil), para 2 milhões de libras (R$ 10,3 milhões). No ano passado, o sérvio Novak Djokovic e a norte-americana Serena Williams recolheram cada 1,88 milhão de libras (R$ 9,72 milhões). Jogadores eliminados na primeira rodada vão receber 30 mil libras (R$ 155 mil).

Nos últimos cinco anos, o prêmio total em dinheiro de Wimbledon quase dobrou, subindo 92%. O maior aumento foi em 2013, quando a premiação foi elevada em 40%. A 130ª edição do torneio vai ser jogado no All England Club entre 27 de junho e 10 de julho.

O US Open continua sendo o torneio do Grand Slam que distribui os mais altos prêmios em dinheiro. No ano passado, ele pagou um total de US$ 42,3 milhões (R$ 218,8 milhões), incluindo US$ 3,3 milhões (R$ 17,1 milhões) para cada um dos campeões de simples.

O prêmio de Roland Garros, que será disputado no próximo mês, aumentou em 14%, para um total de cerca de 32 milhões de euros (R$ 165,5 milhões). Os campeões de simples vão ganhar 2 milhões de euros (R$ 10,3 milhões).

Wimbledon também anunciou o aumento do financiamento para combater a manipulação de resultados e o doping, embora números específicos não tenham sido apresentados. O chefe-executivo do All England Club, Richard Lewis, disse que os fundos suplementares seriam alocados para análise de padrões de apostas para detectar qualquer atividade suspeita.

A questão da manipulação de resultados veio à tona durante o Aberto da Austrália, em janeiro, quando a BBC e o BuzzFeed publicaram reportagens acusando as autoridades do tênis de não terem investigado completamente possíveis casos de manipulação.

Lewis disse que Wimbledon também vai gastar mais em exames antidoping. O esporte estás lidando com um caso de grande repercussão envolvendo a russa Maria Sharapova, que testou positivo para Meldonium no Aberto da Austrália.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.