Fiona Hamilton / EFE
Fiona Hamilton / EFE

WTA confirma volta de Wozniacki à liderança e Bia Haddad Maia sobe 9 posições

Muitas mudanças ocorrem no Top 10, com quedas de Muguruza e Venus Williams e subidas de Svitolina, Kerber e outras

Estadão Conteúdo

29 Janeiro 2018 | 13h14

Dois dias depois de finalmente conquistar o seu primeiro título de Grand Slam, ao triunfar na final do Aberto da Austrália, Caroline Wozniacki teve o seu retorno à liderança do ranking feminino mundial do tênis oficialmente confirmado nesta segunda-feira. A dinamarquesa assumiu o topo, com 7.965 pontos, e ultrapassou a romena Simona Halep, derrotada na decisão em Melbourne e que caiu para a segunda posição, com 7.715 pontos.

+ 'Nunca mais vou ouvir que sou nº 1 sem Grand Slam', diz Wozniacki

+ Marcelo Melo supera Guga em ranking e comemora 'fato histórico'

Wozniacki não ocupava a primeira colocação da WTA desde 2012, ano em que foi vice-campeã do US Open, Grand Slam realizado nos Estados Unidos, sendo que ela também foi superada na final da grande competição em Nova York em 2009.

Com o fim do jejum de taças na série de torneios mais importantes do circuito profissional, a jogadora da Dinamarca recuperou o status de número 1 do mundo, enquanto Halep caiu para o segundo lugar após ser superada em uma equilibrada decisão de três sets, no último sábado, em Melbourne.

Já a ucraniana Elina Svitolina subiu da quarta para a terceira posição depois de ter avançado às quartas de final do Aberto da Austrália. Ela ultrapassou a espanhola Garbiñe Muguruza, que desceu para o quarto lugar após cair de forma precoce no Grand Slam, na segunda rodada da chave de simples da competição.

A norte-americana Venus Williams, por sua vez, caiu da quinta para a oitava posição e viu a checa Karolina Pliskova, a letã Jelena Ostapenko e a francesa Caroline Garcia assumirem respectivamente a quinta, sexta e a sétima colocações. A últimas duas delas, por sinal, festejam os melhores postos de suas carreiras na listagem.

Outra novidade no Top 10 foi o retorno da alemã Angelique Kerber, ex-número 1 do mundo, que saltou da 15ª para a oitava posição após ter avançado às semifinais em Melbourne. Já a francesa Kristina Mladenovic subiu da 11ª para a 10ª posição ao ultrapassar a britânica Johanna Konta, agora a primeira a figurar abaixo do Top 10.

Vale destacar também a ausência de Serena Williams do ranking da WTA, da qual a ex-líder deixou de fazer parte nesta segunda-feira ao ter descontados os pontos conquistados no Aberto da Austrália do ano passado, quando se sagrou campeã. Sem jogar desde então por causa de uma pausa na carreira para poder ter a sua primeira filha, a norte-americana assim passou a ficar sem pontuação no ranking.

BIA HADDAD SOBE MAIS

Depois de ter ido à segunda rodada da chave de simples feminina do Aberto da Austrália, Beatriz Haddad Maia subiu nove posições no ranking da WTA e passou a figurar no 61º lugar.

Única brasileira no Top 300 e que fez história ao encerrar um jejum de 53 anos de vitórias de tenistas do País na chave feminina do Grand Slam australiano, ela assim está a três postos da sua melhor marca na listagem mundial.

 

Confira a classificação atualizada do ranking da WTA:

1) Caroline Wozniacki (DIN), 7.965 pontos

2) Simona Halep (ROM), 7.715

3) Elina Svitolina (UCR), 6.085

4) Garbiñe Muguruza (ESP), 5.690

5) Karolina Pliskova (RCH), 5.445

6) Jelena Ostapenko (LET), 4.901

7) Caroline Garcia (FRA), 4.495

8) Venus Williams (EUA), 4.278

9) Angelique Kerber (ALE), 3.031

10) Kristina Mladenovic (FRA), 2.935

11) Johanna Konta (ALE), 2.825

12) Julia Görges (ALE), 2.825

13) Sloane Stephens (EUA), 2.813

14) Madison Keys (EUA), 2.644

15) Anastasija Sevastova (LET), 2.540

16) Ashleigh Barty (AUS), 2.486

17) Svetlana Kuznetsova (RUS), 2.462

18) Coco Vandeweghe (EUA), 2.434

19) Magdalena Rybarikova (ESQ), 2.363

20) Elise Mertens (BEL), 2.215

61) Beatriz Haddad Maia (BRA), 946

395) Laura Pigossi (BRA), 96

405) Gabriela Cé (BRA), 91

Mais conteúdo sobre:
tênis Caroline Wozniacki Bia Haddad

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.