Após quebrar jejum de 2 anos, Ricciardo dedica vitória na Malásia a Bianchi

Australiano diz que acidente de francês mudou sua vida

Estadão Conteúdo

02 Outubro 2016 | 16h13

O australiano Daniel Ricciardo faturou o GP da Malásia neste domingo e encerrou um jejum de dois anos sem vitória na Fórmula 1. O piloto da Red Bull ainda viu na segunda colocação seu companheiro de equipe, Max Verstappen. Na entrevista coletiva, Ricciardo dedicou a vitória a Jules Bianchi, que morreu em julho de 2015, nove meses após acidente sofrido no GP do Japão.

A batida do piloto francês aconteceu dois meses após o último triunfo de Ricciardo, no GP da Bélgica, em 2014. "Passaram dois anos da minha última vitória e sinto que esse tempo demorou muito para passar, muita coisa aconteceu", comentou. "Foi um período de muitas mudanças, a perda do Jules, um competidor e amigo. Foi difícil de superar. Queria muito ter vencido antes para dedicar a vitória a ele", emendou.

"O dia daquele acidente me mudou como pessoa para melhor. Fiquei mais contemplativo com as coisas e as posições que escolho para a vida. Hoje ganhei uma corrida de Fórmula 1. É um novo sonho que se realiza. Então este aqui é dedicado a ele", disse.

A prova também foi uma longa disputa de Ricciardo com Verstappen. Por isso, o australiano também fez questão de enaltecer o companheiro de equipe pela briga leal na pista. "Foi justa e limpa a corrida com Max, foi muito divertida. Essa foi a melhor parte. Acho que nós dois aproveitamos o momento."

A dobradinha da Red Bull neste domingo impediu a conquista antecipada do Mundial de Construtores pela Mercedes. O título, contudo, segue próximo. A Mercedes tem 553 pontos, contra 359 da equipe austríaca.

Nico Rosberg, que terminou em terceiro lugar, ainda conseguiu ampliar a liderança sobre Lewis Hamilton no Mundial de Pilotos. Tem agora 288 pontos, contra 265 do companheiro de equipe, que abandonou a prova na Malásia por problemas no motor. Ricciardo aparece em terceiro lugar na classificação, com 204.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.