Red Bull|Divulgação
Red Bull|Divulgação

CBA instalará comissão para investigar fiscais da Stock no sábado

Fiscais são suspeitos de prejudicar Cacá Bueno deliberadamente

Estadão Conteúdo

02 de março de 2016 | 19h56

A Confederação Brasileira de Automobilismo (CBA) vai instalar no sábado a comissão de inquérito que vai investigar as declarações de fiscais que alegaram prejudicar sem motivo aparente pilotos durante corridas da Stock Car. Cacá Bueno, pentacampeão da categoria, seria o principal alvo destes comissários de prova.

A comissão será instalada na véspera da primeira corrida da temporada 2016 da Stock Car, no mesmo Autódromo Internacional de Curitiba, que receberá a prova. Nesta quarta-feira, a CBA também confirmou que Felipe Giaffone será o indicado da Associação Brasileira de Pilotos de Automobilismo (ABPA) para integrar a comissão que conta com três membros - o piloto Chico Serra e Robson Duarte, presidente da Federação de Automobilismo do Espírito Santo, serão os outros dois integrantes.

A CBA vai investigar a atuação de comissários de prova após reportagem publicada na segunda-feira pelo jornal Folha de S. Paulo. De acordo com a denúncia, fiscais mantinham um grupo de mensagens no serviço de mensagens WhatsApp em que, em tom de ironia, afirmavam ter punido pilotos, atrapalhando o desempenho deles no campeonato. O principal alvo seria Cacá Bueno. Mas Xandinho Negrão e Átila Abreu também são citados na reportagem.

Em uma das mensagens, o comissário técnico Clóvis Matsumoto, que atua nos circuitos, afirmou que não tinha deixado Cacá ser campeão. Outro citado, o auxiliar Paulo Ygor Dias, disse que tentaria desclassificar o piloto sem justificativa aparente na próxima corrida da categoria. "Isso é repugnante", afirmou Cacá, ainda na segunda, sem esconder a indignação com as denúncias.

Segundo a CBA, a comissão de inquérito terá prazo máximo de 30 dias, a contar de sábado, para divulgar o relatório final sobre o caso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.