Consultor vê 3º lugar como meta viável para a Red Bull na F-1

Consultor da Red Bull, Helmut Marko reconheceu que a equipe não deverá ter condições em 2016 de desafiar Mercedes e Ferrari por contar com um motor - fornecido pela Renault - menos competitivo do que os principais da Fórmula 1, mas acredita que será possível dar um passo além, em comparação ao último ano, e terminar o Mundial de Construtores na terceira colocação.

Estadão Conteúdo

08 de março de 2016 | 12h10

A confiança do consultor se dá pela evolução que o motor poderá ter ao longo da temporada. "Parece que as coisas com o desenvolvimento do motor estão indo na direção certa. Mas, para tirar o fosso para os motores principais, vai levar algum tempo", afirmou.

"Na primeira metade da temporada, vejo a Mercedes com dobradinhas, desde que eles não tenham quebras, então vejo a Ferrari e uma luta apertada entre Williams, Force India, Toro Rosso e Red Bull atrás deles. Da metade em diante, a situação do nosso motor deve melhorar, e isso me faz acreditar que o terceiro lugar é viável", disse.

Em 2015, as reclamações da Red Bull sobre o rendimento dos motores da Renault se tornaram públicas, com a equipe buscando novas opções no mercado e até chegando a ameaçar deixar a Fórmula 1. Depois, porém, a equipe renovou o seu acordo com a montadora a italiana.

Já a Toro Rosso, a sua equipe parceira, passará a utilizar motores da Ferrari. E Marko foi mais um especialista a apontar que a Red Bull deverá ser superada pelos carros da Toro Rosso nas primeiras provas de 2016. "Eu posso imaginar que eles vão ficar na frente da Red Bull no início da temporada, provavelmente até a metade", avaliou.

No último ano, a Red Bull terminou o Mundial de Construtores na quarta posição, com 187 pontos, enquanto a Toro Rosso ficou em sétimo lugar, com 67. A temporada 2016 da Fórmula 1 será aberta em 20 de março, com a realização do GP da Austrália.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.