Hamad I Mohammed|Reuters
Hamad I Mohammed|Reuters

Ecclestone critica atual F-1 e diz que era melhor quando era ditador

Dirigente critica domínio de Mercedes e Ferrari sobre a categoria

Estadão Conteúdo

27 de abril de 2016 | 22h16

Bernie Ecclestone continua com a língua afiada. Nesta quarta-feira, às vésperas do GP da Rússia de Fórmula 1 - a quarta etapa da temporada de 2016 -, nas ruas da cidade de Sochi, o principal dirigente da categoria deu mais uma polêmica declaração. Em entrevista ao jornal russo Sovetsky Sport, criticou a atual situação com Mercedes e Ferrari dominando treinos e corridas.

"Precisamos voltar aos bons e velhos dias em que construímos a Fórmula 1 que conhecemos hoje. Quando eu estava em uma posição muito mais forte, quando eu era um ditador. Mas com a democracia atual, temos pessoas manipulando o esporte de acordo com seus próprios interesses", afirmou. "Muitas vezes me queixei nos últimos anos e me queixo de novo, mas nossa estrutura está mal. Temos permitido que Ferrari e Mercedes nos guiem. Por que? Eles têm a maioria dos motores das outras equipes e, por suposto, têm um impacto importante sobre eles", disse Ecclestone.

O dirigente de 85 anos é o atual presidente da FOM (Formule One Management) e da FOA (Formule One Administration). Para ele, a democracia nas entidades não funciona. "Quando tratamos de chegar a algo novo, necessitamos uma coordenação com todos os participantes do campeonato. Esse caminho é equivocado. A democracia não funciona da melhor maneira. Temos que voltar aos velhos tempos", completou.

Os treinos livres do GP da Rússia começarão nesta sexta-feira - a primeira sessão será às 4 horas (de Brasília). No sábado, às 9 horas, acontecerá o treino oficial de classificação. A corrida terá início no mesmo horário no domingo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.