F1 adia adoção de proteção do cockpit para 2018 e libera rádio para GP alemão

Decisão surpreende, já que contraria uma decisão da FIA

Estadão Conteúdo

28 de julho de 2016 | 17h34

Em decisão surpreendente nesta quinta-feira, o Grupo de Estratégia da Fórmula 1 contrariou a Federação Internacional de Automobilismo (FIA) e decidiu adiar a adoção da proteção do cockpit dos carros para a temporada 2018. A FIA defendia a incorporação do chamado halo, modelo que agrada mais aos pilotos e equipes, já para o campeonato de 2017. Nesta mesma reunião, o Grupo de Estratégia decidiu ser mais liberal na comunicação de rádio entre pilotos e times.

Na decisão mais importante, o grupo que conta com representantes da FIA, da FOM (que detêm os direitos da F1 e é comandada por Bernie Ecclestone) e das seis principais equipes do campeonato definiu que precisa de mais tempo para avaliar a utilização do halo, apesar do apoio dado por pilotos e pela FIA para a adoção do sistema já no próximo ano.

De acordo com o grupo, há pouco tempo para adotar o sistema para 2017 e que "seria prudente" aproveitar o restante da atual temporada e a próxima para fazer novos testes e avaliar todo o potencial do halo. A entidade avisou que o sistema ainda é o favorito para proteger a cabeça dos pilotos nos carros, mas não descartou considerar outras opções.

O halo é uma espécie de arco erguido sobre a cabeça dos pilotos, com três pontos de fixação no carro. Um destes pontos fica exatamente à frente do piloto, o que já causou críticas por possíveis prejuízos à visibilidade. Os próprios pilotos, porém, aprovaram o sistema após testes na semana passada.

Apesar da aparência pouco atrativa nos carros, o sistema agrada aos pilotos por causa da proteção. O halo evita que objetos na pista, às vezes soltos pelos próprios carros, atinjam quem vem atrás, como foi o caso do acidente sofrido por Felipe Massa no treino do GP da Hungria, em 2009. Uma peça do carro de Rubens Barrichello atingiu a cabeça de Massa.

"Acho que 90 ou 95% dos pilotos vão votar a favor do sistema. Não gostamos muito da aparência, mas eu não acho que exista qualquer coisa para justificar uma morte", disse o alemão Sebastian Vettel, antes da decisão do Grupo de Estratégia.

RÁDIO - Na mesma reunião, o grupo decidiu amenizar as restrições impostas às comunicações de rádio entre pilotos e equipes durante as corridas. As restrições foram ampliadas para o campeonato deste ano e vinham gerando polêmicas. Na última, o piloto alemão Nico Rosberg foi punido por ter recebido informações demais ao longo do GP da Inglaterra.

Após seguidas reclamações dos times, o Grupo de Estratégia decidiu liberar totalmente a comunicação durante as corridas. "Não haverá limitações nas mensagens enviadas pelas equipes aos pilotos por rádio ou pelo pit board [placa levantada pelas equipes na pista]", disse a FIA, em comunicado oficial.

Esta decisão já passa a ser válida no GP da Alemanha, que será disputado no Circuito de Hockenheim neste fim de semana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.