Yuya Shino| EFE
Yuya Shino| EFE

Hamilton evita nova polêmica e Mercedes retira protesto contra Verstappen

Equipe queria punição a holandês por fechada em piloto inglês

Estadão Conteúdo

09 Outubro 2016 | 11h07

Se depois de ver seu motor fundir no GP da Malásia, no fim de semana passado, e insinuar que estava sendo sabotado, Lewis Hamilton desta vez preferiu fugir de polêmicas ao comentar o terceiro lugar no GP do Japão. Apesar de ter subido ao pódio neste domingo, o resultado foi ruim para o britânico, que viu seu companheiro de equipe na Mercedes, Nico Rosberg, abrir 33 pontos na liderança do Mundial.

Ao fim da corrida em Suzuka, a Mercedes entrou com um recurso reclamando da fechada que Hamilton levou de Max Verstappen quando tentou tomar do holandês o segundo lugar, na penúltima volta. O piloto da Red Bull mudou o traçado, impedindo que o britânico passasse por fora, e obrigou Hamilton a fazer a curva pela área de escape.

Hamilton ficou sabendo do protesto depois que já havia concedido entrevista coletiva e defendido a postura do rival. O britânico então utilizou sua conta no Twitter para dizer que não havia protesto da parte dele. "Apenas ouvi que a equipe havia protestado, mas falei a eles que não era isso a se fazer. A gente é campeão, vamos seguir em frente e acabou", escreveu ele, lembrando que a Mercedes garantiu o título de construtores neste domingo.

Pouco depois, a Mercedes decidiu retirar o protesto, que, de qualquer forma, só seria julgado na próxima etapa do Mundial, nos Estados Unidos. Assim, fica mantido o resultado a pista: Verstappen em segundo, Hamilton em terceiro.

O britânico, aliás, fugiu de polêmicas também ao comentar sua prova. Disse que cometeu um erro na largada, quando caiu do segundo para o oitavo lugar. "Patinei", resumiu. "Trilhei meu caminho a partir de lá. Foi complicado, mas fiz o melhor que pude."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.