Moises Castillo/AP
Moises Castillo/AP

Hamilton revela problema no freio no início; Rosberg já pensa no GP do Brasil

Inglês cortou caminho pela grama no começo da corrida

Estadão Conteúdo

30 Outubro 2016 | 21h09

O inglês Lewis Hamilton conquistou a segunda vitória consecutiva na temporada de 2016, neste domingo, no GP do México e manteve a esperança de conquistar o tetracampeonato da Fórmula 1. A primeira colocação encurtou a distância para o companheiro de Mercedes, o alemão Nico Rosberg, em 19 pontos.

No entanto, quase que um problema logo na largada colocou fim ao sonho de Lewis Hamilton. Na primeira curva, o inglês travou o pneu dianteiro direito e precisou cortar caminho pela grama para garantir a primeira colocação.

Na entrevista coletiva, Lewis Hamilton informou que teve um problema na volta de apresentação por conta de uma diferença de temperatura nos freios. "Na largada, quando cheguei à curva, bloquei e quase bati no muro. As vibrações que tive no pneu foram as maiores que já senti. Estava muito rápido. Por sorte não fui parar no muro", comentou.

Lewis Hamilton também comentou a marca histórica alcançada neste domingo. Com o triunfo, chegou a 51 vitórias na carreira, igualando o francês Alain Prost. Os dois só estão atrás do alemão Michael Schumacher, que tem 91. "O mais importante é a equipe porque é incrível, fantástico. Creio que a metade das vitórias tenha sido com essa equipe, que é formada por um grupo de pessoas incríveis", disse.

Apesar de ver a distância diminuir, Nico Rosberg reconheceu que a vitória do companheiro de equipe foi merecida e minimizou a polêmica do início da corrida, quando Lewis Hamilton cortou caminho pela grama e se manteve na primeira colocação. "Está tudo certo. Tenho de lidar com o fato de ter finalizado em segundo. Lewis foi mais rápido e mereceu a vitória", reconheceu. "Agora vou para o Brasil tentar alcançar a vitória por lá", emendou o alemão.

Para ficar com a taça inédita de campeão da temporada, Nico Rosberg precisa apenas de uma vitória no GP do Brasil. Com isso, abriria ao menos uma distância de 26 pontos e já não poderia ser mais alcançado por Lewis Hamilton.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.