Brian Spurlock|USA Today Sports
Brian Spurlock|USA Today Sports

Hinchcliffe conquista pole da 100ª edição das 500 Milhas de Indianápolis

Canadense acaba com a sequência de seis poles da Penske

Estadão Conteúdo

22 de maio de 2016 | 20h23

Um ano após quase morrer em uma pista de automobilismo, o canadense James Hinchcliffe voltou ao palco do acidente e deu a volta por cima. Neste domingo, o piloto foi o melhor na fase decisiva do treino classificatório e assegurou a pole position para a 100.ª edição das 500 Milhas de Indianápolis.

Hinchcliffe, da equipe Schmidt Peterson, conquistou sua primeira pole position na carreira após 79 corridas com tempo de 2min36s0063, 0s0344 mais rápido que o segundo colocado Josef Newgarden, nas quatro voltas no tradicional circuito oval.

O feito quebrou uma sequência de seis corridas com um carro da Penske na primeira posição do grid na Fórmula Indy. Além disso, o canadense colocou fim ao jejum de 31 corridas sem pole para carros com motor Honda.

Único brasileiro a correr o "Fast Nine", disputa qualificatória para a primeira posição com os nove melhores pilotos do treino de sábado, o tricampeão de Indianápolis Hélio Castroneves acabou com o nono lugar do grid, com o tempo de 2min37s1265.

Ryan Hunter-Reay garantiu a terceira posição na largada das 500 Milhas de Indianápolis, seguido por Townsend Bell, Carlos Muñoz, Will Power, Mikhail Aleshin, Simon Pagenaud.

No ano passado, um dia antes do qualificatório da tradicional prova, Hinchcliffe bateu no muro durante o treino livre. Após o impacto, uma peça do carro se alojou na sua coxa e a hemorragia poderia ter causado sua morte, não fosse pelo rápido atendimento médico no local e posterior cirurgia em um hospital próximo ao autódromo de Indianápolis.

SEGUNDO PELOTÃO

Na briga pela classificação abaixo do nono lugar, uma cena pitoresca chamou a atenção do público em Indianápolis. O atual campeão da prova Juan Pablo Montoya fazia suas voltas rápidas quando passou por cima de um saco de lixo, perdendo preciosos milésimos de segundo.

A organização assumiu a culpa pelo incidente e deu uma nova chance para o colombiano, mas ele não conseguiu manter um ritmo competitivo e fez o 17.º tempo, com 2min38s1141.

O brasileiro Tony Kanaan, que venceu prova em 2013 e recebe um grande carinho da torcida norte-americana, terminou o treino com apenas o 18.º tempo, com a marca de 2min38s2906.

O grid para as 500 Milhas conta com seis pilotos que já venceram a prova (Castroneves, Hunter-Reay, Dixon, Montoya, Tony Kanaan e Buddy Lazier) e cinco estreantes (Matt Brabham, Max Chilton, Spencer Pigot, Alexander Rossi e Stefan Wilson).

A 100.ª edição da mais tradicional prova do automobilismo mundial acontece daqui a uma semana, no dia 29 de maio, com largada às 13 horas (de Brasília). Antes da prova, os pilotos têm direito a mais dois treinos livres para os acertos finais nos carros, na segunda e sexta-feira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.