Reuters
Reuters

Perto do título, Rosberg diz que correrá no México só pensando na vitória

Alemão possui vantagem de 26 pontos em relação ao segundo colocado

O Estado de S.Paulo

26 Outubro 2016 | 10h39

Embora o GP dos Estados Unidos tenha sido vencido por Lewis Hamilton, o resultado não foi ruim para Nico Rosberg. Afinal, com o segundo lugar e a vantagem de 26 pontos na liderança do Mundial de Pilotos, ele continua dependendo apenas das suas forças para ser campeão pela primeira vez na Fórmula 1, sem seque precisar vencer qualquer uma das três provas recentes. Às vésperas do GP do México, o alemão da Mercedes descarta correr pensando no campeonato e garante que vai entrar na pista com o foco apenas na vitória.

"Meu objetivo é tentar ganhar lá, como tenho feito em todas as corridas. Claro, estar em uma batalha pelo campeonato no final do ano é incrível e estou animado sobre isso. Mas a minha abordagem é simples. Há muitas coisas que podem acontecer durante um fim de semana de corrida que estão fora do meu controle, por isso é melhor apenas bloquear tudo que estiver fora focar no meu trabalho", disse o líder da temporada.

Rosberg lembrou, inclusive, que venceu em 2015 o GP do México, quando a prova voltou a ser realizada após ficar mais de 20 anos fora do calendário da Fórmula 1. Aquele triunfo, aliás, abriu uma sequência de sete consecutivos do alemão da Mercedes, o que incluiu as quatro primeiras provas da atual temporada.

"Estar naquele pódio no ano passado foi um dos melhores momentos da minha carreira, por isso espero que eu possa voltar lá e experimentar isso novamente. Nós temos três corridas pela frente para desfrutar dessa impressionante Mercedes, assim penso em fazer o máximo em cada momento", afirmou.

As atividades do fim de semana do GP do México começam nesta sexta-feira, com o primeiro treino livre marcado para as 13 horas (de Brasília). A corrida será realizada a partir das 16 horas do próximo domingo. Rosberg pode até conquistar o título antecipadamente, desde que vença a corrida e Hamilton a abandone.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.