Luiz Prado|Estadão
Luiz Prado|Estadão

Primeira vitória de Senna em Interlagos completa 25 anos

Em 1991, piloto teve de superar chuva e problemas mecânicos

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

24 de março de 2016 | 07h00

Depois de dois títulos mundiais, 112 corridas e oito tentativas, Ayrton Senna conquistou há exatos 25 anos o objetivo que ainda lhe faltava. Ganhar o GP do Brasil de Fórmula 1 era uma obsessão tão grande que valeu a pena superar a chuva em Interlagos, o poderio dos adversários e, principalmente, as falhas mecânicas da McLaren para cruzar a linha de chegada, mesmo sem forças.

Em 24 de março de 1991 o piloto viveu uma das maiores alegrias da carreira. Ao mesmo tempo, estava tão cansado pelo esforço físico que mal conseguiu erguer no pódio o troféu que lhe faltava na coleção. Para vencer o GP do Brasil, Senna precisou buscar forças para guiar um carro que teve problemas e ficou apenas com uma marcha, a sexta.

O fim de semana começou promissor pela pole position marcada no sábado. Ainda assim, não era o suficiente, até porque em quatro ocasiões anteriores Senna também largou da primeira posição e não venceu. Em 1991, as Williams do inglês Nigel Mansell e do italiano Riccardo Patrese mostravam superioridade e eram as principais adversárias ao então inédito feito de vitória em casa.

Após a largada Senna disparou, seguido pelas Williams. A vitória pareceu ficar mais perto quando Mansell, então segundo colocado, rodou e abandonou na 59ª volta. A jornada pareceu mais fácil, enquanto a chuva começou a cair o carro, iniciou a preocupar. Primeiro, a quarta marcha da McLaren do brasileiro não entrou. Depois, foi a quinta a dar problema. A sete voltas do fim, só restou a sexta.

A sequência de falhas obrigou Senna a fazer um enorme esforço físico para manter o carro na pista. O piloto tinha dificuldade em fazer o motor não "morrer" em curvas de baixa velocidade. A cada volta, aumentava a angústia da torcida, que lotava o autódromo de Interlagos, e não entendia o motivo de Patrese se aproximar com tamanha facilidade da McLaren.

O italiano tirava a diferença a cada volta. Senna sofria com o carro e com a chuva, em busca do objetivo de ganhar em casa. O sofrimento foi recompensado depois de 1h38 de prova. O brasileiro recebeu a bandeira quadriculada já sob chuva intensa, com Patrese apenas dois segundos atrás. Em conversa no rádio com a equipe, veio o desabafo: "Ai, meu Deus, eu não acredito", disse.

Poucos metros depois, o carro de Senna parou. O piloto estava exausto, não conseguiu dirigir mais e ainda no cockpit, recebeu atendimento médico. O então campeão do mundo chegou ao boxes de carona, bastante cansado, porém, ovacionado pelo feito caseiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.