Rosberg promete Mercedes mais forte e mira primeira vitória em Suzuka

Resultado negativo no GP da Malásia adiou a conquista da equipe no Mundial de Construtores

Estadão Conteúdo

05 Outubro 2016 | 09h31

O resultado do GP da Malásia, no último fim de semana, pode não ter sido bom para a Mercedes, que adiou a conquista do título do Mundial de Construtores, mas acabou sendo favorável a Nico Rosberg, que abriu uma vantagem de 23 pontos na liderança do campeonato, a cinco provas do fim da temporada. E o alemão garante que o desempenho abaixo do esperado da equipe, com o seu terceiro lugar e o abandono de Lewis Hamilton, servirá como motivação para a Mercedes ser ainda mais forte no GP do Japão, no próximo domingo.

"Até mesmo para os mecânicos, ver todo seu trabalho duro destruído em alguns momentos deve ser muito brutal, especialmente no final de um fim de semana fisicamente exigente. Mas você não pode subestimar o quão forte esta equipe é. Vamos voltar ainda mais fortes", afirmou Rosberg.

Apesar da proximidade do fim da temporada 2016 e de ocupar a liderança do campeonato, Rosberg garante que não vai correr em Suzuka pensando na classificação do Mundial de Pilotos. O seu foco, garante, será conquistar a primeira vitória da sua carreira no GP do Japão, uma das provas preferidas dos pilotos no calendário da Fórmula 1.

"Eu não tenho pensado sobre a situação dos pontos durante toda a temporada e não vou começar agora. Estou aqui para vencer corridas e esse é o objetivo em cada corrida. Suzuka é a próxima oportunidade e eu adoraria estar no topo do pódio lá. É uma das grandes pistas, clássica, onde todas as lendas ganharam, por isso seria uma honra adicionar o meu nome a essa lista", disse.

Ainda sem ter triunfado em Suzuka, Rosberg viu Hamilton, seu companheiro de equipe e desafiante na luta pelo título mundial, vencer o GP do Japão nos últimos dois anos. O alemão garante, porém, que o seu desempenho nesta temporada já mostrou que ele pode desafiar o inglês no próximo fim de semana.

"Preciso melhorar minhas últimas performances lá, onde as coisas nunca vieram juntas. Mas eu acho que mostrei nesta temporada que aprendi muito com os últimos dois anos, por isso estou confiante que posso chegar ao topo desse desafio", concluiu o líder do campeonato.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.