Divulgação
Divulgação

Sette Câmara sonha alto, mas mantém os pés no chão

Brasileiro de 18 anos sair em vantagem na disputa por uma vaga na F-1

Entrevista com

Sette Câmara, piloto do programa de formação da Red Bull

Felipe Rosa Mendes, O Estado de S.Paulo

22 de outubro de 2016 | 17h00

Mineiro de Belo Horizonte, Sérgio Sette Câmara é o mais forte candidato do Brasil a ingressar na Fórmula 1 nos próximos anos. O piloto de 18 anos mora atualmente em Barcelona e disputa a F3 Europeia, pela Red Bull, uma das raras equipes da atualidade que mantém programa de formação de novos talentos.

É justamente esse programa que coloca Sette Câmara em vantagem na disputa por uma vaga na F1, colocando-o à frente de compatriotas como Pietro Fittipaldi (20 anos), neto de Emerson, e Pedro Piquet (18), filho de Nelson. Atuando pela “academia” da Red Bull, seus custos de vida na Europa são mais baixos. Também sofre menor pressão para buscar patrocinadores. Mesmo assim, o brasileiro conta com apoio de empresas de peso, como a Petrobrás. 

Em busca do sonho de pilotar na F1, Sette Câmara mantém o foco, mas sabe que ainda terá que esperar para ganhar sua chance na categoria. Afinal, a competição sofrerá fortes mudanças a partir de 2017, o que dará maior chance a pilotos mais experientes.

Enquanto a oportunidade não aparece, o brasileiro acompanha de perto o desempenho dos pilotos que são sua referência no momento, o alemão Sebastian Vettel e o australiano Daniel Ricciardo, seu “colega de trabalho” na Red Bull.

1. Você já negocia para ter chance na F-1 como piloto de testes ou reserva?

Tenho um contrato com a Red Bull e o desenrolar da minha carreira é definido por eles. Não existe nenhuma sinalização de prazos para a F-1 e meus objetivos são traçados de acordo com o que for mais conveniente na escolha deles.

2..Há previsão para fazer novos testes com a Toro Rosso/Red Bull, como os feitos em junho, em Silverstone?

Não tenho nada definido para novos testes de F-1. Acredito que, como no ano que vem haverá a estreia do novo carro, certamente os times irão optar pela experiência dos pilotos que já são titulares. 

3. Uma das críticas que se faz aos jovens pilotos brasileiros é que estão chegando às competições europeias despreparados técnica e psicologicamente. Como está o seu preparo para desafios como a F1? 

Acredito que a preparação psicológica é fundamental no desenvolvimento de um atleta de alto rendimento. Independente do esporte que ele pratique, o apoio e a preparação com o auxílio destes profissionais fazem grande diferença. Poucas pessoas lembram disso, mas, é muito importante falar. A preparação psicológica sempre fez parte da minha carreira, desde o kart, e até mesmo agora com o apoio da Red Bull, sempre tenho sessões com psicólogos especializados na preparação de pilotos.

4. O que acha da formação dos pilotos nacionais? 

No Brasil, a formação básica dos pilotos, no kart, é muito boa. Encaramos em nosso País o kart ainda de forma muito atrelada à família e eu adoro isso. O nível das competições de kart no Brasil é extremamente alto. Porém, na Europa, o grau de exigência das equipes te deixa mais preparado para chegar pronto às competições de Fórmula.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.