Tricampeonato de Senna na Fórmula 1 completa 25 anos

Título de 1991 no Japão veio com segundo lugar na corrida e marca a última conquista brasileira na categoria

Ciro Campos, O Estado de S.Paulo

20 de outubro de 2016 | 08h00

Valeu ficar acordado até a madrugada, mesmo que tenha sido só para acompanhar dez voltas, cerca de 20% da duração daquele GP do Japão de 1991, em Suzuka. O pouco tempo de angústia para o desfecho e um esquisito segundo lugar no resultado final deram naquela ocasião a Ayrton Senna, da McLaren, o terceiro título mundial na Fórmula 1, há exatos 25 anos.

A conquista não precisou do lugar mais alto do pódio, nem da bandeirada final. Na 10ª volta, como o concorrente direto ao título, Nigel Mansell, ficou fora da prova, o campeonato estava encerrado com uma etapa de antecedência. O inglês da Williams se perdeu na curva logo após a reta dos boxes, não conseguiu sair da caixa de brita e, assim, deixou Senna confortável para guiar o carro já no posto de campeão daquela temporada.

Naquela virada de noite de 19 para 20 de outubro o torcedor atento à televisão viu o título ser mais rápido e fácil do que parecia. O resultado veio cedo, ao contrário da longa espera iniciada desde então. A conquista de Senna foi o último título brasileiro na categoria. Jamais algum representante do País repetiu o feito alcançado três vezes pelo piloto, morto em acidente em 1994.

A decisão do título de 1991 coroou o favorito em prova que teve um episódio marcante nos metros finais entre os dois pilotos da McLaren. Senna, então o líder da corrida, tirou o pé do acelerador para permitir a ultrapassagem do austríaco Gerhard Berger na reta final. Foi uma ordem da equipe transmitida pelo rádio dos boxes e cumprida pelo brasileiro, embora sem grande empolgação.

A cooperação entre os dois colegas norteou as ordens da McLaren naquela temporada. Antes da largada em Suzuka, por exemplo, a estratégia era para o pole position, Berger, e o segundo colocado, Senna, continuarem com as respectivas posições para colocarem pressão no terceiro lugar, Mansell. O inglês, conhecido como "Leão", precisava ganhar para continuar com chance de título, mas movido pelo nervosismo, errou logo cedo e deixou a competição.

A temporada mais regular de Senna, ganhador das quatro primeiras etapas, terminou em Suzuka com uma certa 'obediência rebelde' às ordens da escuderia. A McLaren queria colocar a dupla nas duas primeiras posições e ordenou para o brasileiro devolver a liderança tomada de Berger na 18ª volta. O campeão daquele ano relutou e tentou se fazer de desentendido, até ceder somente a metros do fim, em ultrapassagem questionada na época no ambiente da Fórmula 1.

A ordem de chegada em Suzuka pouco alterou a temporada espetacular de Senna. O tricampeão realizou meses antes do GP do Japão o sonho de ganhar pela primeira vez no Brasil, em Interlagos, fora fechar o ano com sete vitórias e 12 pódios nas 16 etapas do calendário. O retorno ao Brasil, semanas depois da conquista em Suzuka, foi com muita festa nas ruas de São Paulo.

JEJUM

Desde 1991 o Brasil não comemorou mais títulos mundiais na Fórmula 1. Nesses 25 anos seguintes à conquista em Suzuka, o País alcançou quatro vices. O próprio Senna ficou em segundo lugar no campeonato de 1993, superado pelo francês Alain Prost. Rubens Barrichello, em 2002 e 2004, viu Michael Schumacher se sagrar campeão. Já em 2008, Felipe Massa perdeu por apenas um ponto para Lewis Hamilton.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.