Diego Azubel/EFE
Diego Azubel/EFE

Verstappen comemora pódio no Japão após se intrometer entre as Mercedes

Jovem piloto é o quinto colocado no Mundial de pilotos da Fórmula 1

Estadão Conteúdo

09 Outubro 2016 | 16h44

Max Verstappen fez uma ótima largada na madrugada deste domingo, se defendeu dos ataques de Lewis Hamilton e terminou o GP do Japão na segunda posição, atrás de Nico Rosberg. Para o holandês, terminar a prova com o carro entre as Mercedes é um ótimo resultado e mostra a força da Red Bull na temporada.

"Nós sabíamos que a largada seria decisiva e fomos muito bem hoje (domingo), o que me permitiu definir meu próprio ritmo de corrida. Eu pude ficar atrás do Nico e controlar meus pneus. A equipe me passou uma estratégia muito forte, junto de um carro que estava muito bem equilibrado, então pude curtir uma prova de sucesso", analisou Verstappen. "Eu fiquei muito feliz de terminar no meio dos dois carros da Mercedes. Esse é um grande resultado novamente para o time." 

Verstappen chegou em segundo lugar pela segunda prova consecutiva e atualmente é o quinto colocado no Mundial de Pilotos, com 165 pontos, cinco a menos do que o finlandês Kimi Raikkonen, da Ferrari. Rosberg lidera o campeonato com 313 pontos.

"Na corrida, nós tivemos um ritmo rápido, mas acho que o Nico estava tranquilo. Quando eu aumentava um pouco a velocidade, Nico conseguia equilibrar, e quando eu diminuía, ele também fazia o mesmo. Ele estava no controle", contou.

Após ter problemas de tração na largada e cair da segunda para a oitava posição Hamilton precisou fazer uma corrida de recuperação. A partir da segunda metade da prova, o britânico partiu para cima do holandês e tentou tomar a segunda posição, mas Verstappen se segurou bem.

"Lewis estava obviamente um pouco mais rápido nos trechos finais e eu sabia que ele iria encostar em mim, pois o tempo que a equipe colocava na placa do pit caía a cada volta. Na última chicane, eu o vi vindo no meu espelho, então defendi minha posição. Isso me garantiu o segundo lugar", vibrou o piloto de 19 anos.

Após o final da prova, a Mercedes entrou com uma queixa sobre a manobra de Verstappen para defender a ultrapassagem de Hamilton, mas o tricampeão foi contra e a equipe retirou o protesto.

"Não há protesto de minha parte. Acabei de ouvir que a equipe tinha, mas eu avisei que isso não é o que fazemos. Nós somos campeões, nós vamos em frente. Fim", escreveu Hamilton em seu perfil no Twitter.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.