500 Milhas: amanhã, último dia para acerto

O Carburation Day, amanhã à tarde, é a última chance para o acerto final dos carros para as 500 Milhas de Indianápolis, a corrida mais importante do calendário do automobilismo americano. Quinta e sexta-feiras, o circuito permanecerá fechado. A corrida, domingo, terá cinco pilotos brasileiros no grid de largada. E os carros correrão com motores mais fracos e nova aerodinâmica. Hoje à tarde, depois de pedalar no circuito, Kanaan comentou que as ultrapassagens serão mais difíceis, com a nova aerodinâmica. Os carros receberam um degrau de alumínio sob o assoalho. Dessa forma, cerca de um centímetro mais alto, os carros perdem aderência e ficam mais lentos. Além disso, os novos motores adotados pela Indy Racing League têm 3,0 litros. Até a corrida passada, em Motegi, Japão, a IRL utilizou a versão de 3,5 litros. De acordo com a última previsão da equipe Andretti Green, os carros farão entre 9 e 10 pits durante a corrida. A capacidade do tanque de metanol foi reduzida de 132 para 113 litros. "Quem conseguir poupar combustível terá chances maiores", diz Kanaan que largará na 2ª fila com o 5º tempo. Kanaan corre com um Dallara/Honda. Os motores Honda foram os melhores na classificação ficando com os sete primeiros lugares. A Andretti classificou três pilotos entre os cinco primeiros. Hélio Castro Neves passou dois dias em Nova York, participando de diversos programas de televisão, inclusive o talk show de Kelly Rippa, na rede ABC. Vencedor das provas de 2001 e 2002 e 2º colocado em 2003, ele é uma das celebridades da corrida. Helinho largará em 8º lugar (o primeiro entre os pilotos que correm com motor Toyota) e está confiante. "Sabemos que a Honda está na frente. Mas a equipe preparou um carro que me dará condições de perseguir os líderes. Depois tudo dependerá do bom trabalho de box", analisa. Helinho corre com Dallara/Toyota e, comparando com o carro de sua segunda vitória, em 2002, garante que o modelo atual é melhor. "É tão bom como o de 2001. Estou otimista para a prova". A Penske reservou 12 jogos de pneus para cada um dos dois carros: Helinho e Sam Hornish Jr. Kanaan diz que não pretende andar rápido, amanhã, no Carburation Day. "O carro está muito bom e não vale a pena forçar o motor que vamos utilizar na prova. Esse treino é mais um shake down para ver se tudo está funcionando. É claro que você pode mudar uma coisa ou outra, tirar meio grau de asa, por exemplo. Mas é coisa pequena. O que tinha de ser feito já foi feito. Agora é aguardar a corrida". As mudanças técnicas da categoria já se refletiram no tempo da pole position. No ano passado, Helinho cravou a média de 372,845 km/h. Este ano, Buddy Rice, com Panoz G-Force/Honda (equipe Rahal), foi o mais rápido do Pole Day com 357,236 km/h. A média horária da corrida também deverá ser mais lenta. Além de Kanaan e Helinho, o automobilismo brasileiro será representado por Bruno Junqueira, 4º tempo, com um Panoz G-Force/Honda (Newman Haas), Vitor Meira, 7º tempo, também com Panoz G-Force/Honda (Rahal) e Felipe Giaffone, 25º tempo, com Dallara/Chevy (Dreyer & Reinbold Racing). A prova terá a participação de uma única mulher: Sarah Fischer que largará em 19º com Dallara/Toyota (equipe Kelley).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.