A torre de onde se controla o GP

Suas decisões podem salvar ou comprometer a vida de um piloto. Mais: definir este ou aquele campeão do mundo. Nem todos sabem, mas a torre de controle de uma corrida de Fórmula 1 tem importância bem maior do que é imaginado. E sua complexidade é, da mesma forma, bem mais extensa do que a maioria acredita.Ao contrário do que se pensa, da sala de direção de prova não se vê nada, apesar de estar no alto de uma torre. Trata-se de uma sala fechada à luz externa e isolada acusticamente. Tudo é monitorado nos mais delicados detalhes por câmaras de TV, muitas delas acionadas pelo próprio diretor de prova, lá de dentro. De suas ações e dos responsáveis pelas várias áreas de controle da competição depende a segurança e a lisura do resultado da disputa."Nada é ao acaso num GP de Fórmula 1. Toda reação, seja da equipe de resgate, bombeiros, da divisão médica, atende à orientação que vem da torre", explicou Carlos Montagner, diretor de prova que tem a experiência de ter trabalhado em 31 dos 33 etapas do Brasil de Fórmula 1.Ele atua em conjunto com o diretor de corrida, o inglês Charlie Whiting, mais focalizado na disputa dentro da pista propriamente. O diretor de prova vê o evento de forma mais global, tem responsabilidades além das de dentro do traçado. "Temos meios de controlar tudo o que se passa no circuito através de imagens próprias ou mesmo das disponíveis ao público", disse Montagner.Todos na sala de controle estão equipados com rádio na mesma frequência do diretor. E cada responsável de área comunica-se com seus subordinados utilizando-se de frequências próprias. Os diretores das equipes, nas muretas dos boxes, também são acessados pelo diretor através de uma linha de rádio direta. "Basta apertarmos um botão e estamos conectados com o time que desejarmos para lhe comunicar algo", explicou Montagner.Na sua sala operam além dele e de Whiting, dois diretores-adjuntos - de prova, Cláudio Vieira, e de corrida, Herbie Blash -, além de dois experientes representantes da FIA. Mais alguns responsáveis por cada área, como as dos comissários de pista e dos boxes ou da equipe médica, por exemplo.A área de varredura das câmaras de TV impressiona pela abrangência e definição de imagens. Dois relatoristas acompanham o que for possível nas TVs e avisam a direção de prova sobre qualquer coisa fora do normal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.