Acidente encerra carreira de Zanardi

A semana que começou trágica para o mundo, terminou trágica para a Fórmula Indy. O piloto italiano Alessandro Zanardi, bicampeão da categoria, teve as duas pernas amputadas após um acidente no final do GP da Alemanha de F-Indy, em Lausitz, que deve antecipar o fim de sua carreira. Ele foi levado para um hospital em Berlim, onde passou por uma cirurgia de mais de cinco horas na noite deste sábado. Zanardi liderava a prova até a 141ª de 154 voltas da prova, vencida pelo sueco Kenny Brack. Parou para abastecimento e, quando saía dos boxes, perdeu o controle do carro, que rodou e foi atingido de lado pelo canadense Alex Tagliani, que vinha a mais de 300km/h. O impacto da batida dividiu o carro de Zanardi em dois, com metade do bico sendo arrancado. A célula que protege o piloto, feita de material extremamente resistente, foi partida na região onde ficam as pernas do piloto. O impacto foi todo na lateral do carro, tido como o ponto mais vulnerável de um carro de corrida. Projetados para se desmanchar em caso de impactos, os carros não têm tanta proteção no lado, já que esse tipo de impacto é muito raro. Segundo o boletim divulgado pelo médico oficial da Cart, Steve Olvey, o italiano perdeu muito sangue, teve lesões nos braços e perdeu as duas pernas. Uma acima e outra abaixo do joelho. Além disso, havia suspeita de que Zanardi tinha quebrado o pelvis. Ele foi levado de helicóptero para o Klinikum Berlin-Marzanh, hospital de Berlim, a 140 quilômetros de Lausitz. Alex Tagliani saiu do carro consciente. Reclamou de dores nas costas, braços e pernas e foi levado para o mesmo hospital de Berlim, onde fará exames médicos e deve permanecer pelo menos um dia sob observação. Logo em seguida, um outro helicóptero saiu da pista levando a mulher de Zanardi, Daniela. Companheiro de equipe do italiano na equipe Mo-Nunn, o brasileiro Tony Kanaan saiu logo em seguida em um carro para Berlim, junto com o escocês Dario Franchitti e sua noiva, a atriz Ashley Judd. Tony e Dario são dois dos melhores amigos de Zanardi na F-Indy. O italiano iria levar os dois para passar sua casa, em Monte Carlo, onde ficariam até a viagem para a Inglaterra, local da próxima etapa da Indy, em Rockingham.Zanardi, de 34 anos, nasceu em Bolonha e começou a correr aos 14 anos, em campeonatos italianos de kart. Passou pela Fórmula 1 entre 1991 e 1993, sempre por equipes pequenas, e estreou na Indy em 96. Foi eleito o estreante do ano e venceu três corridas. Nas duas temporadas seguintes, foi campeão acumulando 12 vitórias, todas elas comemoradas da forma que se tornou sua marca registrada: vários cavalos-de-pau no meio da pista. Em 1999, foi para a Fórmula 1, mas não se deu bem. Correndo pela Williams, não conseguiu marcar nenhum ponto. Não correu na temporada 2000 e voltou este ano para a equipe Mo Nunn, onde fazia dupla com o brasileiro Tony Kanaan. Nesta temporada, não vinha bem. Tinha apenas 24 pontos em 14 provas. Já era quase certo que ele não correria na Indy no ano que vem. Zanardi queria parar de correr para morar com a mulher e o filho Philipe. Morris Nunn, chefe da equipe MoNunn, de Zanardi e Tony, estava arrasado. "Todos nós da equipe estamos arrasados com as notícias sobre Zanardi. Mas temos que agradecer por ele ter sobrevivido a um impacto tão grande. Ele é um lutador e tenho certeza de que vai superar isso tudo."A prova foi vencida pelo sueco Kenny Brack, seguido do italiano Max Papis e pelo canadense Patrick Carpentier. O melhor brasileiro foi Tony Kanaan, que ficou em sétimo lugar. Brack reassumiu a liderança da temporada da Indy com 131 pontos. Gil de Ferran é o segundo, com 120, Michael Andretti em terceiro, com 115 e Hélio Castro Neves o quarto, com 111. Os pilotos não participaram da cerimônia de premiação no pódio. Brack recebeu o troféu nos boxes e apenas posou para fotos. "Não existe razão para comemorar. Primeiro pelos atentados nos EUA e agora por Zanardi. Apenas torço para que Zanardi esteja bem agora", disse. Hans-Jorg Fischer, CEO do autódromo de Lausitz, disse que uma investigação será feita para analisar o acidente. "Foi terrível. Mas acho que houve um erro do piloto, que perdeu o controle do carro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.