'Alcançar novatas é questão de tempo', diz Bruno Senna

O brasileiro Bruno Senna afirmou nesta quarta-feira que os carros da equipe Hispania seguem em um processo natural de evolução na Fórmula 1 e que logo estarão brigando de igual para igual com outros das escuderias novatas da categoria. No caso, a Virgin e a Lotus.

AE, Agência Estado

31 de março de 2010 | 13h25

"Vamos chegar nelas, é só uma questão de tempo", afirmou Bruno Senna, que não conseguiu terminar nenhuma das duas primeiras corridas da temporada, no Bahrein e depois na Austrália, no último domingo.

Nesta quarta-feira, Bruno Senna fará o reconhecimento do circuito de Sepang, na Malásia, que no próximo domingo recebe a terceira etapa da temporada da F-1, em Kuala Lumpur. "Tanto aqui quanto na China (na quarta prova do Mundial, no próximo dia 18), precisaremos ter paciência, procurar aumentar a quilometragem e melhorar a resistência dos carros", receitou o brasileiro.

A paciência de Bruno Senna com a evolução da Hispania já havia sido demonstrada na semana passada, quando ressaltou que os carros da escuderia só poderão atingir um desempenho mais expressivo a partir da fase europeia da temporada da Fórmula 1, que começa no dia 9 de maio, com o GP da Espanha. Nesta mesma época, a equipe poderá dar novos passos para o desenvolvimento dos seus carros na sua base em Múrcia (ESP).

"Só quando começarmos a mexer nos amortecedores é que poderemos estabelecer o acerto básico. Aqui, isso não é possível", revelou Bruno, que nesta quarta-feira andou de wakeboard com o companheiro de equipe, Karun Chandhok, no Centro Aquático Nacional em Kuala Lumpur.

Já em relação à previsão do tempo para a Malásia, que indica possibilidade de chuva durante todo o final de semana da corrida, o piloto mostrou não estar preocupado e ressaltou que condições desfavoráveis poderão até ajudar a Hispania na Malásia. "Quanto maior o número de variáveis, maior a chance de acontecer algo imprevisto que nos beneficie", analisou.

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1Bruno SennaHRTvelocidade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.