Aliviado, Vettel celebra vitória especial em casa

O alemão Sebastian Vettel já conquistou três títulos mundiais, mas apenas neste domingo sentiu a sensação de comemorar um triunfo em casa. Após ganhar o GP da Alemanha, o piloto da Red Bull celebrou a vitória, a classificou como "especial" e admitiu que poderia ter perdido a liderança para o finlandês Kimi Raikkonen, que o pressionou no final, se a corrida no circuito de Nurburgring tivesse mais voltas.

AE, Agência Estado

07 de julho de 2013 | 14h24

"Foi uma corrida difícil, foi uma das mais difíceis por um longo tempo. Estou feliz que a corrida não teve duas ou três voltas a mais, porque Kimi estava um pouco mais rápido no final. Eu estou muito feliz que deu certo e é muito especial. A equipe trabalhou muito para me dar a chance de ganhar neste fim de semana e conseguimos", disse.

Empolgado, Vettel destacou o privilégio de vencer uma corrida da Fórmula 1 em casa, o que nem todos os pilotos conseguem ou mesmo possuem essa chance. "Primeiro de tudo, você tem que lembrar que é um privilégio ter a oportunidade de correr em seu país de origem, temos cerca de 20 corridas, mas não são, obviamente, mais de 20 países, por isso é especial correr em casa e ter muito apoio", afirmou.

Mesmo sabendo da possibilidade de enfim vencer na Alemanha, Vettel explicou que apenas se concentrou na corrida para não correr riscos de cometer erros. Depois da prova, porém, ele celebrou e ressaltou que não vai se esquecer tão cedo de tudo o que viveu.

"Eu tive um bom começo e depois só me concentrei em cada volta durante a corrida. Você realmente não pensa sobre onde você está enquanto você está correndo, você não pode permitir que se desconcentre, mas quando a bandeirada veio e a corrida acabou, eu realmente aproveite a volta e vi um monte de pessoas nas arquibancadas aplaudindo e agitando bandeiras. Estas imagens vão permanecer na minha cabeça por um longo, longo tempo", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.