Alonso celebra vitória, mas admite pressão dos rivais

Apesar da vitória de ponta a ponta, neste domingo, Fernando Alonso admitiu ter enfrentado dificuldades durante o GP da Alemanha. Ao fim da prova, o espanhol reconheceu que o ritmo da Ferrari era inferior ao dos rivais e revelou ter ficado preocupado com o crescimento de Jenson Button durante a corrida.

AE, Agência Estado

22 de julho de 2012 | 12h17

"Foi complicado, com certeza. Acho que não somos a equipe mais rápida em pista seca. Mas somos competitivos o suficiente para manter a liderança da prova", comentou Alonso, que elogiou a estratégia da Ferrari. "Houve boas chamadas da equipe. Reagimos rápido quando Jenson foi para os boxes".

A última parada de Alonso foi decisiva para a vitória. Ele foi para os boxes assim que Button, então em terceiro lugar, fez sua troca. O espanhol fez sua parada logo à frente de Vettel, em segundo. Assim, se manteve em primeiro e ainda evitou o crescimento de Button, com pneus novos.

Mesmo assim, precisou resistir à pressão do inglês, que não demorou para passar por Vettel. "Depois disso, percebi que ainda teríamos uma longa corrida pela frente. Jenson colocou muita pressão. Mas nosso carro tinha boa tração e conseguimos manter a liderança".

Logo após o fim da corrida na Alemanha, Alonso já começo a projetar o GP da Hungria, que será disputado no próximo fim de semana. Mesmo com 34 pontos de vantagem na liderança do campeonato, o espanhol acredita os novos componentes prometidos pela Ferrari para a prova do domingo que vem serão decisivos na disputa.

"Será apertado. Trata-se de um circuito curto e sabemos que poucos décimos têm separado os primeiros oito ou nove carros. Então, precisaremos estar perfeitos tanto na preparação quanto no treino classificatório", avaliou.

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1GP da AlemanhaAlonso

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.