Alonso diz que foi a vitória mais gostosa

Fernando Alonso, da Renault, contou até com algum entusiasmo: "A equipe me dizia, pelo rádio, acelera, acelera que Kimi Raikkonen (McLaren) está com problemas." Eram as voltas finais do GP da Europa, hoje, no circuito de Nurburgring. A estratégia de obrigar o finlandês andar num ritmo irreal para as dificuldades com seu pneu dianteiro direito deu certo: na 59.ª volta, a última, no fim da reta dos boxes, a suspensão do mesmo pneu danificado não suportou, explodiu literalmente. Alonso venceu outra, pela quarta vez em sete etapas. "Por ter sido a poucos metros da linha de chegada essa vitória foi mais gostosa", afirmou o espanhol, mais líder do Mundial do que nunca. O austuriano jurou que esperava sim, "por que não?", herdar a vitória. "O ocorrido com Kimi só foi possível em razão da nossa performance. Hoje a Renault tinha o carro que mais bem tratou os pneus, como havia sido na Malásia e Bahrein." Alonso lembrou que em Mônaco, dia 22, ele e a equipe sentiram-se preocupados com o fato de seus pneus acabarem enquanto os da McLaren de Kimi estarem ainda em bom estado. "Mais importante que vencer aqui foi constatar que estamos, de novo, na briga, nosso carro estava ótimo." Os números da sua conquista podem ser quantificados. Na 51.ª volta, a oito da bandeirada, Kimi, em primeiro, tinha 7 segundos e 446 milésimos de vantagem. Na 55.ª, Alonso reduziu para 4 segundos e 36 milésimos. A TV exibia em close as vibrações no pneu e no carro inteiro da McLaren. Flavio Briatore, diretor da Renault, colocava a questão para Alonso, pelo rádio. Na 56.ª volta a diferença caiu para 3 segundos e 548 milésimos, na 57.ª, 2 segundos e 729 milésimos e na 58.ª, uma antes de Kimi abandonar, dando um susto em todos, 1 segundo e 589 milésimos. "Sabia que não conseguiria ultrapassá-lo na pista, minha chance era aquela, forçar a um erro ou a uma pane na McLaren", revelou o piloto da Renault. "De repenti vi um monte de pedaço da McLaren voando, na minha frente, e tive de tomar cuidado para nada me acertar." A vitória estava garantida e, com ela, um enorme avanço em direção ao tão sonhado título para quem tem apenas 23 anos. "A segunda metade do campeonato, quando a Fórmula 1 regressar à Europa depois das duas próximas etapas (Canadá dia 12 e EUA, 19), será bem mais competitiva", prevê Alonso. Dá a entender, com fundamentados motivos, que Williams e Ferrari podem entrar na luta pelos primeiros lugares. "O resultado de hoje, onde contamos com a sorte, é bom dizer, nos ajuda muito no Mundial, de pilotos e de construtores. A McLaren se aproximava perigosamente." Agora, restando 12 provas para o encerramento da temporada, o piloto da Renault já soma 59 pontos, marcou em todas as corridas, enquanto em segundo estão Kimi e Jarno Trulli, da Toyota, oitavo, hoje, com 27. Nada menos de 32 pontos os separam. A Renault lidera entre as equipes com 76 diante de 53 da McLaren, 44 da Toyota e 43 da Williams. A Ferrari é a quinta, com 31. Se Alonso fez festa pela vitória no finzinho do GP da Europa, os dois outros pilotos no pódio não ficaram atrás. O cada vez melhor Nick Heidfeld, da Williams, conseguiu a segunda colocação consecutiva e Rubens Barrichello pilotou com grande competência sua Ferrari para ser terceiro. Michael Schumacher não foi além do quinto lugar. "Estamos recuperando terreno em relação a McLaren e a Renault, agora está claro", afirmou Heidfeld que largou na pole position. É o quarto no campeonato, com 25 pontos. Seu contrato com a Williams termina no fim do ano. Como a chegada de Jenson Button, da BAR, é dada como certa, e o outro piloto da Williams, Mark Webber - abandonou, hoje, por um acidente na primeira curva depois da largada - tem compromisso até o fim de 2007, comenta-se que Heidfeld deixará a escuderia inglesa. Como sempre, ninguém compreende bem a política de Frank Williams na hora de definir de seus pilotos. Rubinho acha que daqui para a frente a história da Ferrari no Mundial será outra e Felipe Massa, da Sauber, apesar de ótima corrida, foi 14.º. Fez um pit stop extra no fim.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.