Alonso diz que foi atingido porque Hamilton estava mais rápido

Espanhol se defende da possibilidade de que tivesse reduzido a velocidade para atrapalhar o ex-companheiro

EFE

06 de abril de 2008 | 12h07

   Kerim Oktem/EFE  Fernando Alonso foi atingido na traseira por Lewis Hamilton e sua McLaren ficou sem a asa do bicoMANAMA - O espanhol Fernando Alonso, da Renault, que terminou o Grande Prêmio do Bahrein de Fórmula 1 na décima posição, comentou que foi atingido pelo inglês Lewis Hamilton, da McLaren, logo na primeira volta da prova porque o carro do adversário estava bem mais rápido do que o seu. Veja também: Massa espanta má fase e vence a primeira no ano na F-1Alonso disse saber que não conseguiria ser muito rápido na corrida deste domingo. O espanhol comentou que teve problemas com seu aerofólio traseiro, mas que mesmo se isso não tivesse acontecido, seu desempenho não seria muito diferente do que foi. O bicampeão confessou que "toda a escuderia sabe que tem que melhorar o mais rápido possível, porque ninguém gosta de fazer uma corrida rodando em décimo". "Portanto, para Barcelona, nossas esperanças estão em todas as melhoras previstas para o carro", completou o piloto, em alusão ao Grande Prêmio da Espanha, a próxima etapa da temporada da Fórmula 1, daqui a duas semanas. TELEMETRIA O britânico Pat Symonds, engenheiro-chefe da Renault, demonstrou por meio de uma telemetria que o causador do choque foi Lewis Hamilton. Ele mostrou uma cópia do gráfico dos dados telemétricos do momento do incidente, no qual é possível observar que a aceleração de ambos os carros é sempre ascendente, o que elimina a dúvida sobre se Alonso havia reduzido a velocidade logo antes do impacto.Hamilton bateu com o bico de seu carro na roda traseira direita do de Alonso e danificou levemente o aerofólio traseiro do Renault. O inglês caiu para o fundo do pelotão após ter entrado nos boxes para reparar seu carro e terminou a prova apenas na 13ª posição depois ter largado em terceiro. Alonso cruzou a linha de chegada na décima posição. (com EFE)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.