Robert Ghement/EFE
Robert Ghement/EFE

Alonso diz que gostaria de voltar a vencer em Cingapura

Palco da próxima etapa da Fórmula 1 foi onde Nelsinho Piquet sofreu seu polêmico acidente no ano passado

EFE

13 de setembro de 2009 | 16h29

MONZA - O piloto espanhol Fernando Alonso, da Renault, disse depois de terminar o Grande Prêmio da Itália na quinta posição que gostaria de voltar a vencer no circuito de rua de Cingapura, o palco da próxima etapa do Mundial de Fórmula 1 e da atual polêmica que movimenta os bastidores da categoria.

Veja também:

link Barrichello vence na Itália e aperta briga pelo Mundial de F-1

F-1 2009 - tabela Classificação | especialCalendário

especial ESPECIAL: jogue o Desafio dos Pilotos

blog BLOG DO LIVIO - Leia mais sobre a F-1

"Eu gostaria voltar a ganhar lá, gostei muito, foi divertido dirigir de noite. Espero fazer uma boa corrida", disse o espanhol, que venceu a corrida noturna no ano passado, em sua primeira edição.

E justamente o GP de Cingapura de 2008 é o principal assunto da F-1 atualmente. O brasileiro Nelsinho Piquet, então companheiro de Alonso na Renault, denunciou à Federação Internacional de Automobilismo (FIA) que teria sido orientado pela direção da escuderia a provocar um acidente em determinado local da pista para causar a entrada do safety car e assim beneficiar a corrida do espanhol.

Nelsinho assumiu que sua batida entre a 13.ª e a 14.ª voltas do GP de Cingapura do ano passado foi proposital. Alonso foi de fato beneficiado pela entrada do safety car e venceu a prova.

Sobre a corrida em Monza, vencida pelo brasileiro Rubens Barrichello, da Brawn GP, o espanhol disse que ficou feliz com o quinto lugar, ainda mais depois de ter largado na oitava posição.

"Largar em oitavo e acabar em quinto é melhor do que o previsto. Estou contente pelo resultado, sabendo que não fomos muito rápidos durante todo o final de semana", declarou Alonso.

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1Fernando AlonsoRenault

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.