Alonso diz que Nelsinho estará motivado por correr em casa

Bicampeão do Mundo diz que ambiente do GP do Brasil e força da torcida ajudarão seu companheiro de equipe

EFE,

27 de outubro de 2008 | 13h09

O piloto espanhol Fernando Alonso afirmou nesta segunda-feira que o brasileiro Nelsinho Piquet, seu companheiro de Renault, estará motivado por correr em casa no GP do Brasil, em Interlagos. Veja também: Equipes começam a arrumar os carros para o GP do Brasil Blog do Livio Oricchio: Notícias e bastidores da F-1  Vote: quem leva o título da F-1: Hamilton ou Massa?  Classificação do Mundial de Pilotos e de Construtores   "Fico feliz por ele porque é uma sensação muito especial correr em casa, diante de sua torcida. Tenho certeza que lhe dará uma motivação extra", afirmou Alonso ao site da escuderia francesa. "O ambiente costuma ser extraordinário no Brasil. Os torcedores amam o esporte e, especialmente, a Fórmula 1", completou. O piloto espanhol disse que correrá sem pressão no dia 2 de novembro. Ele lembrou ainda que foi no circuito paulistano que obteve seus dois títulos mundiais na principal categoria do automobilismo. "Foi em Interlagos que consegui meus dois títulos pela Renault, em 2005 e 2006, e sempre é um prazer voltar. Já conseguimos nosso objetivo de terminar em quarto no Mundial de Construtores com o terceiro carro mais rápido, por isso posso encarar a corrida com menos pressão, relaxado", disse o espanhol. Alonso acredita que estas circunstâncias podem ajudar a equipe a tirar proveito da situação, principalmente após as vitórias em Cingapura e no Japão. "Os triunfos foram maravilhosas surpresas e o quarto posto na China confirmou nosso retorno entre os melhores. Fomos claramente a terceira equipe mais forte, com ritmo de corrida similar ao da Ferrari. Trabalhamos muito duro e é uma boa recompensa", explicou. "Com a missão cumprida, agora podemos chegar ao Brasil com calma e pensando em ter outro bom fim de semana", completou. Sobre a prova, Alonso disse que Interlagos é um circuito que tem muitas curvas, além de uma longa reta, e que requer um acerto melhor do carro porque os carros andam no sentido anti-horário."É preciso um carro bem acertado e com uma aerodinâmica eficaz para conseguir tempos competitivos", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.