Lluis Gene / AFP
Lluis Gene / AFP

Alonso diz que rejeitou convite da Red Bull para seguir na Fórmula 1

Espanhol conta ter recusado proposta para guiar pela equipe na vaga do australiano Daniel Ricciardo

Estadão Conteúdo

23 Agosto 2018 | 15h26

O espanhol Fernando Alonso, de 37 anos, revelou nesta quinta-feira que rejeitou uma proposta da Red Bull para seguir na Fórmula 1 na próxima temporada. O convite, segundo ele, veio logo após o australiano Daniel Ricciardo, um dos pilotos da escuderia na atual temporada, anunciar no início do mês que correrá pela Renault em 2019.

"De uma das três melhores equipes, já recebi algumas propostas este ano", disse o piloto ao canal Sky Sports. "Não era o momento de encarar esse desafio. No momento, a Fórmula 1 não está me dando os desafios que procuro", prosseguiu.

Questionado se a tal equipe seria a Red Bull, ele confirmou. Alonso anunciou na semana passada que não renovará com a McLaren, sua atual equipe, e que deixará a competição após 17 temporadas. Na última segunda-feira, a Red Bull anunciou o francês Pierre Gasly para a vaga de Ricciardo.

Na próxima temporada, a escuderia austríaca correrá com motores Honda. Oficialmente, a Red Bull nega que tenha feito um convite a Alonso. O chefe da equipe, Christian Horner, afirmou no dia seguinte à saída de Ricciardo que não teria interesse em trazer o bicampeão mundial.

"Tenho grande respeito pelo Fernando, ele é um ótimo piloto, um piloto fantástico, mas é muito difícil. Ele costuma causar um pouco de confusão onde quer que esteja", disse Horner ao podcast da Fórmula 1. "Eu não tenho certeza se seria a coisa mais saudável para a equipe ter Fernando com a gente. Nossa preferência é continuar a investir na juventude do que pegar um piloto que está obviamente próximo ao fim de sua carreira", emendou.

Apesar de não demonstrar interesse hoje em permanecer na Fórmula 1, Alonso deixou a porta aberta para retornar à categoria no futuro. "A vida muda muito rapidamente", disse. "Para mim é um tchau, mas quem sabe, as coisas mudam. Estou deixando a porta aberta, pois não sei o que acontecerá no futuro", afirmou.

Alonso venceu pela última vez uma corrida de Fórmula 1 em 2013. No entanto, viveu seu auge em 2005 e 2006 quando se sagrou bicampeão mundial. Segundo ele, hoje em dia é muito difícil vencer em uma equipe que não seja de ponta.

"Não fiquei porque há basicamente duas equipes e eles continuam com seus pilotos para os próximos anos", disse Alonso. "Quando você fica no mesmo lugar durante muitos anos e as coisas se repetem, chega um dia em que você não fica tão empolgado com os desafios e por isso decidi sair."

A temporada da Fórmula 1 recomeçará neste domingo após as férias de verão. A próxima disputa acontecerá no GP da Bélgica, no circuito em Spa-Francorchamps.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.