Alonso diz que segunda posição tem gosto de vitória

O espanhol Fernando Alonso celebrou a segunda colocação no GP de Cingapura, no circuito de Marina Bay, após ficar apenas em sétimo lugar no treino de classificação. O piloto da Ferrari destacou que o resultado foi excelente diante das dificuldades que enfrentou no fim de semana e teve sabor de vitória. "O segundo lugar de hoje é como uma vitória para nós, no final de um fim de semana difícil em uma pista onde é muito difícil de ultrapassar", disse.

AE, Agência Estado

22 de setembro de 2013 | 15h56

Para conseguir o segundo lugar, Alonso foi agressivo na largada e saltou para a terceira colocação. Depois, adotou uma estratégia diferente ao antecipar um pit stop, realizado com a entrada do safety car na pista, o que foi fundamental para assegurar a segunda posição. O espanhol destacou esses momentos e revelou que sofreu com o desgaste dos pneus nas voltas finais, mas mesmo assim conseguiu manter a vice-liderança.

"Os pontos-chave da corrida foram o início e a estratégia e, em ambos os casos, as decisões tomadas provaram ser as mais acertadas, mesmo se fossem opções agressivas. No início, eu consegui passar quatro carros, ajudados por ter assistido as largadas de corridas anteriores aqui, mas eu não poderia conseguir passar Rosberg. A decisão de ir aos boxes quando o safety car saiu valeu a pena, mesmo que não tenha sido fácil chegar até o fim com os pneus no limite. Felizmente, graças à vantagem que tinha sobre(Kimi) Raikkonen e (Mark) Webber, fui capaz de administrar a situação ao longo dos últimas voltas", explicou.

O resultado do GP de Cingapura, porém, foi ruim para Alonso e a Ferrari na luta pelos títulos mundiais. O espanhol está na segunda colocação no Mundial de Pilotos, 60 pontos atrás do líder Sebastian Vettel, que venceu a prova deste domingo. Já a Ferrari é a vice-líder do Mundial de Construtores, com 103 pontos a menos do que a Red Bull.

Alonso evitou falar em desistir da luta pelo título, mas reconheceu que só será campeão se tiver muita sorte. "Agora, a diferença para os líderes do campeonato aumentou e além de cumprimentá-los, porque eles merecem estar onde estão, temos de ser realistas, porque para ganhar o título agora, seria preciso muita sorte. Claro, não podemos pensar em desistir agora, porque se a sorte aparecer, então, nós estaremos lá para aproveitá-la", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.