Alonso está mais motivado após a McLaren, diz Briatore

Chefão da Renault acredita que o bicampeão mundial está mais comprometido com o projeto desta vez

REUTERS

23 de janeiro de 2008 | 13h10

A passagem infeliz de Fernando Alonsopela McLaren na temporada passada fez dele um piloto maisprofissional e comprometido, de acordo com o chefe da equipeRenault, Flavio Briatore. "Fernando veio para esta equipe cheio de motivação", disseBriatore ao jornal esportivo espanhol Marca desta quarta-feira."Acho que a experiência na McLaren fez ele mais forte." "Acho que ele está mais responsável. Ele mudou para melhor.Fernando está muito mais comprometido... Estou muito contentepor ver Fernando tão motivado e mais profissional." O espanhol de 26 anos, que conquistou seus dois títulosmundiais com a Renault, voltou ao time de Briatore após umatemporada sem sucesso na McLaren em 2007, quando teve problemasde relacionamentos com o chefe Ron Dennis e o companheiro LewisHamilton. Briatore disse que Alonso estava claramente feliz por estarde volta à equipe. "Quero vê-lo sorrir de novo e, quando o vejo na fábrica,vejo o velho Fernando", disse o italiano. "Em um esporte como aFórmula 1, onde há muita pressão e perigo, você precisa sesentir parte da equipe, e Fernando é parte dessa equipe." "Estamos muito contentes por tê-lo de volta, e nósesperamos que ele seja feliz. Se ele estiver, então osresultados vão aparecer." Este ano Alonso terá o brasileiro Nelsinho Piquet como seunovo companheiro de equipe, um estreante na F1 assim comoHamilton em 2007, mas Briatore disse que não teme uma repetiçãodas disputas internas vividas pelo espanhol na McLaren. "Eu não serei um novo Ron Dennis", disse ele. "Sei comoadministrar a equipe e não quero nenhuma disputa. Possogarantir que não haverá problemas nesta temporada." Alonso participa de testes de pré-temporada da Renault emValência, e fez uma estréia animadora no carro de 2008, antesda apresentação oficial do novo modelo, na semana que vem. (Por Simon Baskett)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.