Jame Moy/EFE
Jame Moy/EFE

Alonso exalta GP do Brasil e Interlagos: 'É sempre um pouco imprevisível'

Foi na pista em São Paulo que o espanhol conquistou seus dois títulos mundiais, em 2005 e 2006

O Estado de S.Paulo

05 Novembro 2018 | 18h08

Prestes a se despedir do circuito onde celebrou suas maiores conquistas, o espanhol Fernando Alonso exalta o Autódromo de Interlagos e prevê um GP do Brasil de Fórmula 1 "imprevisível" no domingo. Ele voltará a correr no traçado paulistano na sexta-feira pela manhã, no primeiro treino livre, marcado para as 11 horas.

"Estou empolgado por voltar a Interlagos porque é um circuito incrível e sempre curti as corridas lá. É uma pista onde muitas grandes corridas foram disputadas e sempre é um pouco imprevisível", diz o espanhol, às vésperas da corrida brasileira, a penúltima da temporada.

Foi em Interlagos que Alonso conquistou seus dois títulos mundiais, em 2005 e 2006. Por isso, o espanhol guarda ótimas recordações da pista de São Paulo. "Os fãs brasileiros são sempre super passionais e é claro que Interlagos é um daqueles circuitos lendários, um dos mais famosos do automobilismo mundial. Grandes campeões correram neste traçado e, com os carros deste ano, será ainda mais rápida e mais empolgante do que nos anos anteriores", projeta.

Neste ano, Alonso chegará ao circuito em clima de despedida. Será a última vez que correrá no Autódromo de Interlagos como um piloto de Fórmula 1, categoria que deixará ao fim do ano. E, para fazer uma grande despedida do traçado de São Paulo, ele espera contar com mais sorte.

Sua temporada na McLaren vem sendo marcada por resultados ruins e abandonos por problemas técnicos. Foram oito até agora, incluindo as duas últimas etapas, nos Estados Unidos e no México. Depois do Brasil, ele correrá em Abu Dabi, na prova derradeira na principal categoria do automobilismo mundial.

"Estou ansioso para disputar estas duas últimas corridas. Estou focado em tentar extrair a performance para a qual trabalhamos tanto, para maximizar o nosso carro, o que não estávamos conseguindo fazer nas últimas etapas", afirma, sem esconder a insatisfação com o rendimento da equipe britânica nesta temporada.

Por isso, ele sonha com um bom carro, sem problemas técnicos, para tentar fazer bonito diante da torcida brasileira. "Eu não tive a chance de lutar em algumas corridas. Então, espero que possamos ter uma corrida limpa para mostrarmos o que é possível fazer", diz o espanhol de 37 anos.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.