Alonso pode superar recorde de Emerson

O recorde de piloto mais jovem a conquistar o título mundial será quebrado este ano. A previsão é de Emerson Fittipaldi, ainda detentor da marca. Em 1972, pela Lotus, Emerson definiu a conquista do seu primeiro campeonato no dia 10 de setembro, na Itália, pouco antes de completar 26 anos, no dia 12 de dezembro. "Fernando Alonso irá superar o meu recorde este ano", previu Emerson. Se Alonso vencer o GP de Mônaco, domingo, ampliará ainda mais sua liderança na classificação e Emerson poderá mesmo estar certo. Em entrevista para o diário espanhol Marca, Emerson foi categórico: o título deste ano já tem dono. "Alonso está guiando muito bem e sua equipe (Renault) atravessa um grande momento." O campeão do mundo de 1972 e 1974 e campeão da Cart em 1989, além de vencedor de suas edições das 500 Milhas de Indianápolis, 1989 e 1993, comentou acreditar que Michael Schumacher quebraria seu recorde. Em 1994, o alemão, então na Benetton, sacramentou seu primeiro título no dia 14 de novembro de 1994, na Austrália. Dia 3 de janeiro completou 26 anos. Perdeu a disputa com Emerson por dias. Mas com Alonso a história é um pouco diferente porque o espanhol de Oviedo irá comemorar 24 anos ainda dia 29 de julho. Se terminar na frente este ano, será o campeão mais jovem da história. Depois de cinco corridas este ano, Alonso soma 44 pontos - chegou ao pódio em todas - enquanto Jarno Trulli, da Toyota, tem 26 e Michael Schumacher, Ferrari, em sétimo, com apenas 10. Indiferente, ao menos agora, à possibilidade de ser o mais jovem campeão, Alonso disse hoje em Mônaco que a McLaren tem, hoje, um carro mais rápido que a Renault. "É preciso reconhecer que eles estão um pouco à frente. Mas aqui em Mônaco isso não vale muito. A Ferrari tinha um carro muito superior a todos os demais e ano passado não esteve bem aqui." O melhor foi Rubens Barrichello, terceiro, quase um volta atrás de Jarno Trulli, da Renault, o vencedor. A Ferrari trabalhou tanto para a prova de domingo que ainda terça-feira Schumacher estava testando pneus para a Bridgestone em Fiorano, o ponto fraco da equipe este ano. Os primeiros treinos livres da sexta etapa da temporada começam nesta quinta-feira. Pela primeira vez, desde que a corrida entrou no calendário da Fórmula 1, em 1950, não será o príncipe Rainier II que fará a entrega dos troféus. Depois de dirigir o principado por 56 anos, Rainier II faleceu em abril. Será seu filho, Albert, novo príncipe, quem estará no pódio. Amanhã, na primeira curva do circuito de 3.340 metros, na capela Sainte Devote, haverá uma missa para lembrar a perda de Rainier II. Os cerca de 600 fiscais da prova irão receber o príncipe Albert à entrada da capela. Como vem ocorrendo regularmente, Flavio Briatore, o homem que foi atrás de Michael Schumacher para competir pelo time que dirigia, a Benetton, em 1991, criticou sua descoberta. "Tenho grande respeito por suas conquistas na Fórmula 1, chegamos a celebrar títulos (campeão com a Benetton em 1994 e 1995), mas hoje me parece muito velho", afirmou hoje em Mônaco. "Já ano passado, quando conseguia uma vitória em seguida a outra, não me passou a impressão de estar divertindo-se muito." Quando ouviu outras críticas semelhantes, Schumacher disse que tudo não passava de um jogo para desestabilizá-lo a fim de evitar seu ressurgimento na luta pelo campeonato. "Isto aqui é um jogo e Flavio está fazendo a sua parte", comentou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.