Albert Gea/Reuters
Albert Gea/Reuters

Alonso treinará em simuladores de olho no GP da Malásia

McLaren afirma ter elaborado um programa para a volta do piloto

O Estado de S. Paulo

17 Março 2015 | 11h14

O piloto espanhol Fernando Alonso, que ficou de fora do GP da Austrália de Fórmula 1, no último domingo, por recomendação médica após sofrer acidente no dia 22 de fevereiro, começará a treinar nos simuladores da McLaren visando a prova do dia 29 de março, na Malásia. A prática faz parte de sua recuperação e será realizada na sede da escuderia, em Woking, no sul da Inglaterra.

Em entrevista à emissora britânica BBC, um porta-voz da McLaren afirmou que a equipe já tem um programa para a plena recuperação e o retorno de Alonso para o GP da Malásia. O piloto, porém, ainda não foi garantido na corrida nem pela equipe nem pelos médicos, porém, mostra confiança no processo de recuperação.

Nesta segunda-feira, Alonso postou uma imagem em seu Twitter praticando natação com a legenda "Contagem regressiva para a Malásia". Antes mesmo do Grande Prêmio da Austrália, o espanhol já havia 'se garantido' na segunda prova da temporada pela rede social: "A Malásia é uma das corridas mais exigentes e estaremos 100%". O piloto da McLaren ainda aproveitou para ironizar o diário espanhol As, ironizando a frase 'onde você acordou hoje?', em referência à matéria do jornal que garantiu que Alonso acordou sem memória após seu acidente.

O piloto recebeu alta após três dias no hospital. Nesta semana, ele realizará os testes médicos oficiais da Federação Internacional de Automobilismo (FIA), requisito para correr no dia 29 de março.

Alonso ficou de fora do GP da Austrália por recomendação médica, temendo a 'Síndrome do Segundo Impacto' em caso de mais um acidente. A corrida não foi das melhores para sua equipe, a McLaren, que sequer somou pontos. O companheiro do espanhol, Jenson Button, finalizou a prova em 11º lugar e o substituto de Alonso, Kevin Magnussen, teve um problema no carro ainda na volta de reconhecimento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.