Brian Spurlock/ USA TODAY Sports
Brian Spurlock/ USA TODAY Sports

Andretti se interessa por vaga na Fórmula 1 e inicia negociações com equipes

Escuderia vê com bons olhos mudanças no regulamento e aproximação da categoria com os EUA

Redação, O Estado de S.Paulo

21 de agosto de 2021 | 22h39

A temporada 2022 da Fórmula 1 promete uma série de transformações. A mais visível delas será no design dos carros, que ganharão um visual mais moderno que promete ganhos aerodinâmicos, cujo objetivo é aumentar a disputa por posições e ultrapassagens. Essas mudanças têm chamado a atenção de grandes montadoras e eleva a especulação sobre a entrada de novas equipes no circo da categoria.

A Andretti é uma das equipes que vê com bons olhos o ingresso na Fórmula 1. A escuderia tem longa história no automobilismo, principalmente na Fórmula Indy. A entrada de uma segunda equipe norte-americana, ao lado da Haas, é amparada pelo acréscimo de uma prova no calendário, com o GP de Miami, que fará par com a corrida em Austin, no Texas.

A princípio, a Andretti entende que o melhor caminho para entrar na principal categoria do automobilismo mundial é se associar a uma equipe que já faça parte do grid. Começar do zero demanda muito investimento (cerca de R$ 1 bilhão) e expertise. A Alfa Romeo e a Williams, geridas por fundos de investimentos, seriam os dois alvos iniciais.

Em 1993, Michael Andretti foi parceiro de Ayrton Senna na McLaren. Mas a história da família na Fórmula 1 não para por aí. Em 1978, pilotando pela Lotus, o pai de Michael, Mario Andretti, foi campeão mundial. Ele e Phil Hill (1961) são os únicos norte-americanos a ganhar o título na categoria. Em entrevista à revista Racer, Michael Andretti avaliou a possibilidade de se inserir na Fórmula 1. 

“Seria ótimo, mas ainda há um longo caminho a ser percorrido se isso, de fato, acontecer. Se aparecer a oportunidade certa, nós vamos atrás. Mas ainda não foi o caso”, analisou Michael Andretti.

Para 2025, o mundo da Fórmula 1 deve sofrer ainda mais alterações com a implementação de um novo regulamento para as unidades de potência. Com as novas especificações, espera-se que grandes montadoras e fabricantes de motor tenham o interesse em começar ou voltar a investir na categoria.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.