Alfa Romeo/Twitter
Alfa Romeo/Twitter

Antes de apresentação, Alfa Romeo vai à pista para dia de filmagens

Equipe fez ação com uma pintura com inspiração no Dia dos Namorados, que é celebrado na maior parte do mundo nesta quinta-feira

Redação, Estadão Conteúdo

14 de fevereiro de 2019 | 13h46

Antes mesmo da apresentação oficial do seu carro para a temporada 2019 da Fórmula 1, a Alfa Romeo já o colocou na pista. A equipe realizou um dia de filmagens e utilizou uma pintura com inspiração no Dia dos Namorados, que é celebrado na maior parte do mundo nesta quinta-feira.

O finlandês Kimi Raikkonen foi quem estava conduzido o carro do time suíço, que conta com motor fornecido pela Ferrari. E a exibição para filmagens se deu no circuito de Fiorano, na Itália, apenas quatro dias antes do início dos testes coletivos da pré-temporada da Fórmula 1 no circuito de Barcelona, na Espanha - horas antes, a Alfa Romeo apresentará seu carro na pista espanhola.

Com a decisão de fazer essa ação com uma pintura provisória, a Alfa Romeo repetiu a iniciativa da Red Bull, cujo novo RB15, agora com motor da Honda, participou de uma atividade parecida no circuito de Silverstone, na última quarta-feira.

A Alfa Romeo substituiu o "nome" Sauber, como parte de um acordo de patrocínio estendido. A equipe, que terminou em oitavo lugar no Mundial de Construtores do ano passado. E agora terá como dupla de pilotos Raikkonen, campeão mundial em 2007, e o italiano Antonio Giovinazzi.

A Alfa Romeo tem grande tradição na Fórmula 1 com a conquista dos dois primeiros campeonatos mundiais em 1950 e 1951, com Giuseppe Farina, da Itália, e com Juan Manuel Fangio, da Argentina.

Fundada em 1910, a Alfa Romeo forneceu motores de Fórmula 1 entre as décadas de 1960 e 1970 e voltou como uma equipe em 1979 antes se retirar novamente no final de 1985. A montadora italiana retornando na última temporada após uma ausência de mais de 30 anos, assinando uma parceria técnica e comercial de vários anos com a Sauber.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.