Reuters
Reuters

Apesar da volta histórica em Monza, Hamilton prevê difícil disputa com Bottas

'Eu precisei de duas tentativas muito boas para superar Valtteri, que esteve sempre muito perto', observou o pole

Redação, Estadão Conteúdo

05 de setembro de 2020 | 13h50

Lewis Hamilton afirmou, neste sábado, que ter atingido a maior média da história da Fórmula 1 (264,362 km/h) para conseguir o primeiro lugar no grid de largada não garante a vitória, domingo, no GP da Itália, no circuito de Monza. "Eu precisei de duas tentativas muito boas para superar Valtteri, que esteve sempre muito perto."

O piloto inglês marcou 1min18s887, quebrou o recorde do circuito de Monza, que pertencia ao finlandês Kimi Raikkonen, obtido em 2018, mas ficou apenas 0s069 à frente do companheiro de Mercedes.

Ao somar a 94ª pole, Hamilton, mais uma vez, elogiou o trabalho da equipe. "Fizemos algumas alterações um pouco antes da classificação, então o carro estava um pouco nervoso, mas no final deu tudo certo", disse o britânico, que vai em busca da 90ª vitória na carreira, o que o deixaria a um triunfo da marca história do alemão Michael Schumacher.

Após sete corridas disputadas, Hamilton lidera a classificação com 157 pontos, contra 110 do holandês Max Verstappen, quinto colocado no grid de largada. Bottas acumula 107, enquanto Alexander Albon tem 48 e Charles Leclerc e Lando Norris possuem 45 cada..

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.