Greg Baker/AP
Greg Baker/AP

Apesar de não mencionada, Red Bull está no páreo na Bélgica

McLaren e Lotus são as favoritas para corrida, mas podem ser surpreendidas pela equipe austríaca em Spa

Livio Oricchio, enviado especial, O Estado de S.Paulo

29 de agosto de 2012 | 19h51

SPA FRANCORCHAMPS - O noticiário da Fórmula 1 nos últimos dias foi rico em projeções do GP da Bélgica. Os treinos livres no espetacular circuito de Spa-Francorchamps começam já amanhã. Para muita gente da própria Fórmula 1, diante da eficiência da versão do carro da McLaren apresentada na Alemanha, a equipe será um adversário difícil de ser vencido no fim de semana, conforme atesta a vitória de Lewis Hamilton na última corrida, na Hungria.

Outra candidata citada com frequência foi a Lotus, por conta da sua ascensão, ratificada com os dois pódios de Kimi Raikkonen, em Hockenheim e Hungaroring. Falou-se, também, do extraordinário retrospecto do finlandês na pista belga, vencedor em quatro oportunidades. Mas quase não se mencionou o time bicampeão do mundo, Red Bull, e da história do seu projetista, Adrian Newey, em Spa-Francorchamps. Pois seus pilotos, Sebastian Vettel e Mark Webber, podem e devem entrar nessa lista de sérios postulantes à vitória.

No ano passado, por exemplo, Vettel largou na pole position e recebeu a bandeirada em primeiro, com Webber logo atrás. Em 2010, Webber cruzou a linha de chegada somente 1,5 segundo depois do vencedor, Hamilton. E se o que estiver em questão para projetar a prova for o retrospecto dos diretores técnicos das equipes em Spa, a Red Bull pode tem boas chances de somar mais pontos que a concorrência. Desde que passou a ser o principal responsável pelos projetos das suas escuderias, em 1991, o engenheiro aeronáutico inglês colecionou sete vitórias no GP da Bélgica.

Os carros de Newey venceram em 1993 e 1994, com Damon Hill, de Williams, 1999, David Coulthard, 2000, Mika Hakkinen, 2004 e 2005, Kimi Raikkonen, todos de McLaren, e na temporada passada, com Vettel, de Red Bull. O fato de vários pilotos ganharem a corrida com seus projetos reforça a sua adaptação aos atuais 7.004 metros do circuito belga. “Aqui e em Silverstone a aerodinâmica conta muito e é a area onde concentro meus maiores interesses”, disse Newey, ao Estado, em 2011.

O site oficial da Fórmula 1 informa que deve chover amanhã, mas sábado e domingo as possibilidades são pequenas. Fernando Alonso, da Ferrari, com certeza torce por pista molhada. A Ferrari é quem melhor aquece os pneus Pirelli nessa condição. A empresa italiana colocou a disposição dos pilotos em Spa os pneus duros e os médios, por causa das elevadas acelerações submetidas. Não são os preferidos da Ferrari.

Sobre Alonso, o austríaco Niki Lauda, três vezes campeão do mundo, hoje comentarista da TV alemã, enviou um recado aos seus adversários: “O momento é decisivo para Vettel e Hamilton. Têm de tirar pontos de Alonso em Spa e Monza (dia 9), caso contrário ele vai disparar na classificação do Mundial”.

O piloto da Ferrari lidera o campeonato, depois de 11 etapas, com 164 pontos, seguido por Webber, 124, Vettel, 122, Hamilton, 117, e Raikkonen, 116.

Michael Schumacher, da Mercedes, celebra em Spa o seu GP de número 300. Foi na edição da prova de 1991 que iniciou sua trajetória monumental na Fórmula 1, tornando-se o líder em quase todos os rankings de desempenho da história, como os sete títulos mundiais, 91 vitórias e 68 poles.

Tudo o que sabemos sobre:
velocidadeFórmula 1

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.