Apesar de tudo, público aplaude Rubinho

Os quase 70 mil torcedores que adquiriram ingresso chegaram a Interlagos otimistas, apostando na primeira vitória de Rubens Barrichello no Brasil. Com a pole do brasileiro, sem a concorrência de Michael Schumacher, que largou apenas em 18.º lugar, e com o apoio da Ferrari, Rubinho era realmente o favorito. O primeiro lugar não veio, mas o público, apesar de decepcionado, reconheceu que o piloto trabalhou bem e o aplaudiu bastante após o GP. De acordo com a maioria, a estratégia da Ferrari foi ruim e não o desempenho de Rubinho na pista. Foi surpreendente a boa presença da torcida em Interlagos. Para os treinos de sexta-feira, houve 14.300 pessoas, para sábado, 52.600 e, hoje, 69.230. Muita gente afirmou ter ido ao autódromo pelo amor ao esporte, pouco se importando com o fato de a temporada já ter um campeão, Schumacher. "Vim porque queria ver a corrida, os pilotos, os carros", afirmou Renato Bicudo Ferraro, gerente de vendas. O clima foi de tranqüilidade, apesar da multidão. Embora houvesse vários estacionamentos nos arredores de Interlagos, os flanelinhas, como sempre, apareceram em bom número e chegaram a cobrar até R$ 50,00 para "guardar" os carros. Os cambistas também não faltaram à festa e o trânsito se complicou na região desde a manhã até o início da tarde. Os famosos, como ocorre em todos os anos, estiveram presentes. Além da supermodelo Gisele Bündchen, que deu a bandeirada final, prestigiaram a corrida os apresentadores de televisão Luciano Huck e Fernanda Lima, o nadador Fernando Scherer e a modelo Ana Beatriz Barros, entre outros. DIVERSÃO - Um dos momentos de mais descontração na tarde de hoje foi pouco antes da hora da largada, quando os pilotos se juntaram para a foto oficial do Grande Prêmio do Brasil. Como Schumacher estava um pouco atrasado - fazia rápido discurso no camarote da Shell -, seu lugar na cadeira ficou vago. Juan Pablo Montoya, então, pegou o burrinho inflável, um boneco encontrado numa fábrica da Jaguar, dias antes do GP da Bélgica, que se tornou mascote da equipe, e o colocou na vaga do alemão. Quando chegou ao local, Schumacher viu seu assento ocupado pelo bicho e, sem outra opção, recorreu ao colo de Rubinho. Os torcedores, é claro, não perderam a oportunidade de debochar do campeão. "Bicha, bicha, bicha", gritaram. O ferrarista, de bom humor, saiu do colo do brasleiro, tirou o burrinho da cadeira e, enfim, sentou-se em seu lugar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.