Daniel Munoz/Reuters
Daniel Munoz/Reuters

Após bater na largada, Barrichello não esperava recuperação

'Tive emoções misturadas [na prova], mas foi fantástico. Estou muito feliz de chegar em segundo lugar', conta

EFE

29 de março de 2009 | 05h34

 MELBOURNE - O piloto brasileiro Rubens Barrichello, da Brawn, disse neste domingo que não acreditaria que continuaria no Grande Prêmio da Austrália de Fórmula 1, muito menos que conseguiria voltar à segunda colocação em que largou, após ser batido logo após a partida.

Veja também:

link Button vence e Barrichello é 2.º no GP da Austrália

especialESPECIAL: Conheça os pilotos e equipes da F-1 2009

especialConfira o calendário (com horários) da temporada

especialESPECIAL: jogue o Desafio dos Pilotos

"Levei uma batida por trás, bati em alguém na frente, uma McLaren me jogou pro lado; naquele momento achei que o carro não sobreviveria. Depois foi muito bom. Com a batida, vocês podem ver que nosso carro é muito forte", brincou Barrichello.

"Entrou em ponto morto, tive que engatar muito rápido. Quebrou alguma parte aerodinâmica, com certeza, mas mostra que o carro é todo muito bom e estou muito orgulhoso [com a dobradinha da equipe]", acrescentou.

"Tive emoções misturadas, mas foi fantástico. Estou muito feliz de chegar em segundo lugar", contou, sobre o que sentiu durante a prova.

Quanto à batida do alemão Sebastien Vettel (RBR) e do polonês Robert Kubica (BMW Sauber), que acabou lhe dando o segundo lugar a duas voltas do fim da prova, Rubinho contou que, dentro de sua tática de recuperação, tinha que tentar se aproximar e contar com alguma sorte.

"Eles estavam numa luta particular e eu, tentando me aproximar deles, como foi durante toda a corrida, sempre tentando me reaproximar das primeiras colocações e acabei conseguindo", comemorou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.