AFP
AFP

Após 'choque' com fracasso em 2018, Williams destaca união e prevê 2019 melhor

Péssimo desempenho da equipe surpreendeu os fãs da categoria mais importante do automobilismo

Estadão Conteúdo

06 Novembro 2018 | 20h42

O péssimo desempenho da equipe Williams na temporada de 2018 da Fórmula 1 surpreendeu os fãs da categoria mais importante do automobilismo e também Claire Williams, vice-diretora e filha do fundador Frank Williams. Antes do início do GP da Austrália, em 25 de março, primeira corrida do ano, ela estava otimista sobre as chances da equipe melhorar o quinto lugar no Mundial de Construtores de 2017. Mas depois de um ano em que quase nada deu certo, revela que o trabalho está em andamento e na tentativa de manter o espírito perseverante da tradicional equipe britânica, mesmo nesses tempos sombrios.

Esta temporada prometeu muito para a Williams com o FW41, primeiro carro da equipe criado sob a supervisão técnica do ex-piloto da Mercedes, Paddy Lowe, que se inscreveu como diretor técnico em março do ano passado.

Mas, como revelou Claire Williams, esses sonhos foram destruídos logo no primeiro teste de inverno em Barcelona. "Foi um enorme choque, na verdade", disse Williams. "Eu esperava muito chegar neste ano em um lugar muito melhor. Eu acho que todos nós pensamos e provavelmente muitos de nossos fãs ao redor do mundo pensaram que nós estaríamos saindo com um carro de corrida muito mais rápido. Essa era a expectativa, então quando chegamos ao teste nem precisávamos esperar até a Austrália para perceber que não era o caso".

Claire Williams continuou a descrever a sua decepção. "Mas como a temporada progrediu, certamente nas corridas anteriores, foi um choque enorme. Eu não conseguia acreditar que nos encontrávamos repetidamente na parte inferior da tabela de classificação, seja na qualificação ou na corrida. E eu não acho que já tenha superado esse choque. Tudo o que sei é que há duas corridas pela frente e mal posso esperar até a bandeira quadriculada de Abu Dabi, se me é permitido dizer isso".

Entre tantos problemas, Claire destaca o trabalho feito pela equipe em momentos de crise. "Eu não sou de lavar roupa suja em público. Uma das coisas que mais me orgulho deste ano é que a equipe realmente se manteve unida. Poderíamos ter implodido, poderíamos ter revelado todas as lutas internas, poderíamos ter demitido metade das pessoas, mas não era assim que eu queria que isso acontecesse. Claro que tivemos conversas e conhecemos as áreas claras de fraqueza. Eu acho que provavelmente o mundo pode ver as maiores áreas de fraqueza para nós, e é claro que tem que haver responsabilidade. Temos que olhar para onde estamos errados".

Com a saída do chefe de engenharia de desempenho Rob Smedley nesta semana, além da crescente probabilidade de que Lance Stroll e seu generoso apoio financeiro irão para a Force India no próximo ano, parece que a Williams ainda não encontrou uma saída. Mas há alguma luz para os fãs da equipe ficarem animados, incluindo a chegada do jovem promissor George Russell na próxima temporada.

"Tudo o que posso dizer", disse Williams, "é que estamos fazendo todas as coisas possíveis para nos certificarmos de que abordamos todos os problemas que temos nessa equipe, a fim de garantir que 2019 seja melhor para nós. Mas se não for, pelo menos eu sei que estamos nos preparando para um futuro melhor além disso".

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.