Jimmy Dawson/AP
Jimmy Dawson/AP

Após cirurgia, piloto da Indy passa bem e tem quadro estável na UTI

James Hinchcliffe foi submetido a uma operação na coxa esquerda

Estadão Conteúdo

19 de maio de 2015 | 10h57

O piloto James Hinchcliffe passa bem na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Health Methodist Hospital após sofrer acidente durante os treinos das 500 Milhas de Indianápolis da Fórmula Indy, na segunda-feira. Acordado, o canadense apresenta quadro estável.

Hinchcliffe foi submetido a uma operação na coxa esquerda, lesionada ao sofrer forte pancada no acidente. Ele havia acertado violentamente o muro seu carro na curva 3, indo parar apenas na curva seguinte, com o seu carro já começando a pegar fogo. Em seguida, foi retirado do carro com a ajuda dos médicos - estava consciente.

"Obviamente, estamos aliviados que James esteja acordado após a cirurgia", disse Sam Schmidt, um dos dirigentes da equipe Schmidt Peterson. "Isso é o mais importante agora nas nossas mentes. Vamos fazer tudo que for possível para garantir sua completa recuperação."

De acordo com a Honda, fornecedora da equipe, o acidente foi causado por uma falha na suspensão dianteira do carro. O problema teria sido o responsável por fazer o piloto perder o controle do monoposto e acertar o muro.

O acidente de Hinchcliffe foi o quarto considerado grave desde o início das atividades preparatórias para as 500 Milhas de Indianápolis. Na semana passada, durante os testes, o brasileiro Hélio Castroneves e o norte-americano Josef Newgarden sofreram fortes batidas, com seus carros decolando. E embora tenham saído ilesos, os acidentes levantaram dúvidas sobre a segurança dos carros da Fórmula Indy nos circuitos ovais.

No último domingo, no início do treino classificatório, foi a vez do norte-americano Ed Carpenter se envolver um forte acidente. A batida levou a direção de prova a exigir que houvesse uma mudança na aerodinâmica do carro de todas as equipes, diminuindo a potência e a velocidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.