Leonhard Foeger/Reuters
Leonhard Foeger/Reuters

Após 'mau resultado' no México, Mercedes projeta final de temporada 'perfeito'

Equipe comemora título de Lewis Hamilton, mas não aprova desempenho dos carros

Estadão Conteúdo

06 Novembro 2018 | 18h18

A equipe Mercedes teve um duplo sentimento após o GP do México de Fórmula 1: felicidade pelo pentacampeonato de Lewis Hamilton e apreensão pelo "mau resultado" por causa dos desgastes dos pneus. Na busca por um final de temporada "perfeito", Toto Wolff, chefe da equipe britânica, prevê muito trabalho durante a disputa do GP do Brasil, neste fim de semana, no circuito de Interlagos, em São Paulo.

"O México foi um fim de semana agridoce. Por um lado, estamos extremamente felizes por Lewis. Ele é o melhor piloto de sua geração e seu quinto campeonato mundial de Fórmula 1 o coloca entre os maiores absolutos que este esporte já viu. Por outro lado, não podemos estar satisfeitos com o desempenho da nossa corrida no México. O treino de classificação parecia promissor, mas, após apenas algumas voltas na corrida, já sabíamos que nos deparávamos com grandes problemas com os pneus", disse o chefão da Mercedes.

No circuito Hermanos Rodríguez, na Cidade do México, no dia 28 de outubro, Hamilton terminou em quarto, seguido pelo seu companheiro Valtteri Bottas. Vettel e Raikkonen levaram a Ferrari para o segundo e terceiro posto, enquanto a vitória foi de Max Verstappen, da Red Bull.

"Começamos a analisar os problemas com os pneus imediatamente após a corrida e fizemos progressos na compreensão dos desafios que enfrentamos e por quê. É importante aplicar todos os nossos conhecimentos para nos certificarmos de que voltamos fortes no Brasil", afirmou Wolff.

Além do título de Lewis, a Mercedes deseja a conquista do Mundial de Construtores, que vale um prêmio de US$ 100 milhões (R$ 430 milhões) ao campeão. A equipe soma 585 pontos, contra 530 da Ferrari.

"Nosso objetivo para esta temporada era ganhar ambos os campeonatos, não um título ou outro, então nossa mentalidade é de cumprir uma tarefa incompleta em São Paulo. Temos uma grande batalha em nossas mãos pelo título de construtores e perdemos espaço nas últimas provas. Este é o momento para manter nossos pés no chão, focar claramente no objetivo e confiança em nossos processos e pessoas", disse Wolff.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.