Stephanie Lecocq/EFE/EPA
Stephanie Lecocq/EFE/EPA

Após mudar data no calendário, GP de São Paulo de F-1 reabre venda de ingressos

Governo do Estado liberou 100% do público para o evento esportivo do dia 14 de novembro, que volta a comercializar entradas para o público em geral na próxima sexta-feira

Redação, Estadão Conteúdo

30 de agosto de 2021 | 12h30

Após o adiamento em uma semana do GP de São Paulo de Fórmula 1, a organização da prova reabre nesta segunda-feira a venda de ingressos para a corrida remarcada para o dia 14 de novembro, no Autódromo de Interlagos, na capital paulista. O GP contará com liberação de 100% do público.

O GP começa a comercializar nesta segunda novos bilhetes de setores das arquibancadas já abertos anteriormente e também ingressos para novos setores do autódromo: o "D" (no S do Senna) e o "V" (final da Reta Oposta). A venda tem início ao meio-dia, pelo site eventim.com.br/f1saopaulo. Esta venda será direcionada para aqueles que se cadastraram na fila de espera do site oficial (f1saopaulo.com.br/fila-de-espera).

A reabertura das vendas para o público em geral começa no dia 3 de setembro, sexta-feira. Antes disso, o GP realizou três etapas de comercialização dos bilhetes, com todos esgotados em pouco tempo. Os valores das entradas, válidas para os três dias do evento, variam de R$ 650 a R$ 3.280, este com alimentação incluída.

A organização não informou o número de ingressos que estarão disponíveis para a venda nesta semana. O Autódromo de Interlagos tem capacidade para receber 70 mil torcedores por dia no fim de semana da etapa de F-1.

A direção do GP e o governador João Doria informaram no dia 16 de agosto que o local receberá público total durante o evento. Os torcedores terão que usar máscara e ter a temperatura medida na entrada. Doria não informou se haverá cobrança de teste negativo para covid-19 ou comprovantes de vacinação completa para os fãs de automobilismo.

Como havia sido indicado pelo próprio governador, a data do GP foi adiada em uma semana. Antes marcado para 7 de novembro, agora foi remarcado para 14, a pedido dos governos estadual e municipal de São Paulo. A nova data é considerada mais favorável porque a corrida será disputada no meio de um feriado - dia 15 de novembro, segunda-feira -, o que, na avaliação de Doria, deve trazer ainda mais turistas à capital paulista no fim de semana do GP.

O ajuste no calendário da F-1 afetou outras provas. Os GPs marcados para Turquia e México também mudaram suas datas. A corrida turca passou do dia 3 para 10 de outubro, ocupando o lugar do GP do Japão, cancelado neste ano. A prova mexicana também foi adiada em uma semana, passando a ocupar o dia 7 de novembro, data anterior do GP brasileiro.

"Gostaria de agradecer os promotores do Brasil, do México e da Turquia pela paciência e flexibilidade e em breve daremos detalhes sobre as inclusões adicionais. Esta temporada está mostrando uma competição incrível nas pistas e isso é extremamente empolgante para nossos fãs ao redor do mundo e estamos ansiosos por seguirmos com essa intensidade nas próximas corridas", disse Stefano Domenicali, presidente e CEO da Fórmula 1.

Com os cancelamentos dos GPs do Japão e da Austrália e as mudanças anunciadas, o calendário deste ano conta com 22 provas, em vez das 23 previstas inicialmente. No entanto, uma data segue em aberto da temporada: o fim de semana o dia 21 de novembro. De acordo com a imprensa europeia, o Catar deve ficar com esta data neste ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.