José Patrício/Estadão
José Patrício/Estadão

Após onda de violência, PM aumenta efetivo para F-1

Ao todo, são 5.365 policiais escalados para trabalhar durante os três dias do GP. Eles exercem diferentes funções, no Autódromo de Interlagos e os seus entornos

FELIPE ROSA MENDES, Agência Estado

25 de novembro de 2012 | 11h29

SÃO PAULO - Após a onda de violência, que vem assustando os moradores de São Paulo nas últimas semanas, a Polícia Militar reforçou o efetivo para o GP do Brasil de Fórmula 1. A PM aumentou em 25% o número de envolvidos na segurança dentro do Autódromo e nas redondezas de Interlagos.

Ao todo, são 5.365 policiais para os três dias do GP, distribuídos em atuações de radiopatrulhamento, Força Tática, Policiamento Comunitário, ROCAM e trânsito, policiamento aéreo, de choque e de bombeiros, além de homens à paisana. São ainda 1.077 viaturas, 60 cavalos e quatro helicópteros. No ano passado, a PM contou com 4.000 homens nos três dias do GP do Brasil.

De acordo com o capitão Edson Leone, o policiamento mais ostensivo neste ano tem por objetivo aumentar a "sensação de segurança" para os torcedores. "Temos base da PM ao alcance de todos, principalmente para quem estiver saindo do Autódromo", afirmou. "Formamos um bolsão de segurança por causa da preocupação econômica do evento e a imagem institucional do Brasil". Desde sexta-feira, o posto da PM instalado perto do Autódromo só registrou ocorrências leves, como a detenção de flanelinhas e cambistas.

Longe das imediações do Autódromo de Interlagos, na zona sul da capital, a PM da Grande São Paulo registrou a morte de 14 pessoas, em ocorrências de violência. Houve ainda 21 feridos. Uma criança de 10 anos estaria entre as vítimas fatais.

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1GP do Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.