Willian West/ AFP
Willian West/ AFP

Após quarentena na Austrália, funcionários da McLaren retornam à Inglaterra

Um dos integrantes da equipe britânica havia sido diagnosticado com o novo coronavírus em Melbourne

Redação, Estadao Conteudo

25 de março de 2020 | 20h50

Após um período 14 dias em quarentena na Austrália, funcionários da McLaren começaram a retornar à sede do time da Fórmula 1, na Inglaterra. Um dos integrantes da equipe britânica havia sido diagnosticado com o novo coronavírus em Melbourne, poucos dias antes do cancelamento do primeiro GP da temporada.

No total, 16 integrantes do time ficaram para trás na Austrália enquanto os demais retornaram para a sede logo que a direção da Fórmula 1 decidiu cancelar a corrida australiana. Todos os 16 tiveram contato com o único caso confirmado no time. O paciente já está sem sintomas.

Após passarem as últimas duas semanas no isolamento, os integrantes da McLaren começaram a retornar à Inglaterra nesta quarta-feira. Nem todos conseguiram embarcar no mesmo voo. Alguns ficaram para trás em razão de dificuldades para encontrar vagas nos poucos aviões que estão circulando entre os países, em razão das medidas de contenção de pandemia.

O grupo todo deve estar de volta ao Reino Unido até sexta-feira, pela previsão da direção da McLaren. Enquanto isso, a F-1 aguarda pelo desenrolar da pandemia para saber como será a temporada 2020.

Além do GP australiano também foi cancelado o tradicional GP de Mônaco. Foram suspensas ainda as corridas do Bahrein, Vietnã, Holanda, Espanha e Azerbaijão, esta anunciada na segunda-feira. Estão sem data no momento. Por enquanto, a primeira corrida do ano deve ser o GP do Canadá, marcado para 14 de junho, em Montreal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.