Após somar primeiro ponto, Alonso demonstra confiança em evolução da McLaren

O espanhol Fernando Alonso demorou nove etapas para conseguir somar seu primeiro ponto no Mundial de Fórmula 1. Graças a um 10.º lugar em Silverstone, na Inglaterra, há duas semanas, ele saiu do zero. Agora, para os 10 GPs restantes, ele espera uma maior evolução da McLaren, a começar pelo GP da Hungria, neste domingo.

Estadão Conteúdo

20 de julho de 2015 | 17h41

"Acredito que a segunda parte do ano vai ser completamente diferente para a McLaren, que ficará muito mais competitiva", disse. "Não é muito difícil evoluir quando se está na parte de trás do grid a dois segundos das principais equipes. Acredito que ficaremos muito mais próximos do topo nessa segunda parte", completou.

Alonso, no entanto, reconhece que sua escuderia terá certamente dificuldades em duas das próximas 10 etapas - na Bélgica, em agosto, e na Itália, em setembro. "São circuitos que exigem potência do motor e isso não é bom para a gente".

Apesar de estar mais acostumado em disputar a liderança dos campeonatos, o bicampeão do mundo se mostrou satisfeito com o desenvolvimento da equipe nesta temporada. "Estou satisfeito com o carro, com a filosofia de desenvolvimento e com os próximos degraus que estão por vir", falou.

"Estou feliz com o progresso da Honda. Tivemos que começar do zero e, infelizmente, é um esporte que não há tempo para esperar. Nós todos queremos fazer isso certo e rápido. O importante é continuar trabalhando na mesma direção. Não temos talento, recursos e comprometimento. É questão de tempo evoluirmos", finalizou o espanhol.

Alonso finalizou apenas três dos nove GPs na temporada e atualmente é apenas o 18.º colocado na classificação geral, três pontos atrás de seu companheiro de equipe, Jenson Button, o 17.º. O inglês Lewis Hamilton, da Mercedes, lidera a competição com 194 pontos.

BOAS LEMBRANÇAS - Button também se mostrou animado com a McLaren para o restante da temporada, especialmente por voltar a correr na Hungria, onde ganhou seu primeiro GP da carreira em 2006, pilotando um Honda. "Obviamente tenho este lugar no meu coração e é um lugar que considero especial. Além disso, é um lugar que sempre gostei de correr", comentou. "Vamos manter as esperanças de fazer uma boa segunda parte da temporada", finalizou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.