Até Briatore duvidou que Nelsinho não pararia mais

Dirigente da Renault não acreditou que brasileiro faria apenas um pit stop no GP da Alemanha

Livio Oricchio, O Estado de S. Paulo

20 de julho de 2008 | 16h33

"Em que volta ele vai parar?", perguntou Flavio Briatore, no muro dos boxes, na 54.ª volta, 13 antes da bandeirada, aos demais integrantes da Renault. Foi o que o italiano contou a um pequeno grupo de jornalistas depois da prova. Veja também: Hamilton vence e Piquet é segundo no GP da Alemanha"Eu via o Nelsinho em primeiro, seus ótimos tempos de volta no computador e não me convenci quando me disseram na equipe que ele iria até o fim." O dirigente já fazia cálculos na cabeça em que posição ele voltaria à pista depois da parada. "Mas felizmente não foi necessária. Nosso grupo estava certo." O homem que está colocando Nelsinho sob enorme pressão para produzir mais se rendeu ao ótimo trabalho do piloto. "Tivemos importante reunião de manhã. Não esperava performance tão forte do Nelsinho", disse."Sorte, irão dizer, verdade. Mas vocês viram quem ele manteve atrás de si por várias voltas sem um único erro? Massa, Heidfeld, Kovalainen, Kubica. Fez uma corrida incrível." O italiano acrescentou que o resultado conquistado tem importância para a equipe toda. Denis Chevrier, chefe dos engenheiros, comentou: "Nelsinho provou que com um bom carro é capaz de lutar com os melhores pilotos", disse. "Aconteceu exatamente o que era necessário para ele aparecer lá na frente, safety car no pit stop, mas ele não poderia falhar na seqüência. Tinha de ser rápido e consistente, mesmo com todos querendo ultrapassá-lo. E Nelsinho foi capaz." Briatore evitou falar do futuro do piloto. "Não é o caso de que ontem não prestava e agora é um campeão. Ele tem de continuar crescendo. No fim do campeonato vamos analisar sua temporada de estréia e decidir." Nelsinho ajudou a Renault e entrar na luta pelo quarto lugar entre os construtores com os 8 pontos. A Toyota é a quarta, com 25, seguida da Red Bull, 24, e agora a Renault, 23.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.