Bahrein redobra a segurança para a F1

As recentes ameaças de revanche dos palestinos, depois de Israel matar seu líder religioso, incendiou o mundo islâmico e, claro, já repercutiu nos responsáveis pelo GP de Bahrein de Fórmula 1, que acontece dia 4 em Manama. Os organizadores do evento anunciaram, nesta quinta-feira, que as medidas de segurança providenciadas serão, agora, reforçadas.O comunicado da organização do GP diz que as ações em curso visam conter qualquer possibilidade de vandalismo interno ou mesmo ataques de grupos terroristas extremos. "Reconhecemos que a prova é o maior acontecimento esportivo realizado no Oriente Médio e que todos os cuidados com a segurança devem ser tomados", explica a nota. "Participarão do aparato a guarda nacional e a força de defesa de Bahrein."Algumas medidas de segurança chegaram a ser explicitadas: "Quadruplicar o número de patrulhas em áreas estratégicas em torno do país, vigília da polícia secreta, mobilização rápida de agentes de segurança disponíveis 24 horas por dia". Na Fórmula 1, ao menos na corrida de Sepang, na Malásia, havia uma nítida sensação de confiança com relação à segurança de todos. "Será o primeiro GP no país, eles lutaram muito para tê-lo, confio plenamente que nada irá ocorrer lá", afirmou o piloto alemão Michael Schumacher.O moderníssimo circuito de Bahrein será inaugurado no dia 2, justamente quando acontece o primeiro treino livre para a prova. Mas as primeiras informações do local, instalado no meio do deserto, sugerem que o conjunto Ferrari/Bridgestone pode ser favorecido, apesar do esperado forte calor. O asfalto regularmente recebe uma fina areia transportada pelo vento, reduzindo a sua aderência e, nessas condições, o histórico dos pneus Bridgestone, da Ferrari, é melhor do que o da Michellan, que equipa a Willians, Mclaren e Renault, maiores adversárias da escuderia italiana.Sinal de que Schumacher pode, mais uma vez, ter uma tranquila vitória, assim como aconteceu nas duas primeiras etapas da temporada. Mas o hexacampeão mundial já tratou de afastar seu favoritismo ao título de 2004. "Vimos no ano passado como a Willians começou mal a temporada e depois virou o jogo", lembrou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.